Filmes e séries

"Juan dos Mortos" traz interessante discussão sobre Cuba, mas diverte menos do que poderia

Mariane Zendron

Do UOL, em São Paulo

20/06/2013 18h07

Filmes de zumbis, sejam de comédia ou os que se dizem sérios, sempre serviram para questionar os excessos e os valores da sociedade capitalista, já que a grande maioria é feita em Hollywood. Fã do gênero desde pequeno, o diretor Alejandro Brugués se perguntou o que aconteceria se uma epidemia zumbi afetasse a socialista Cuba. O resultado de sua imaginações pode ser visto em "Juan dos Mortos", que estreia nesta sexta-feira (21) nos cinemas brasileiros.

Fazendo uma referência clara ao filme “Todo Mundo Quase Morto" (2004) no título e no estilo, o primeiro longa de comédia zumbi de Cuba colecionou mais de dez prêmios do público em festivais do mundo todo por incluir o elemento político no gênero e criticar parte da sociedade acomodada do país.

O protagonista, Juan (Alexis Díaz de Villegas), é o malandro cubano. Ele não trabalha, prefere rum a alimentos, é divorciado, tem uma relação conturbada com a filha e gosta de se divertir com a mulher do vizinho. Quando é convidado pelo amigo Lazaro (Jorge Molina) a fugir para Miami, ele responde com sinceridade: "Mas lá eu ia ter que trabalhar".

TRAILER LEGENDADO DE FILME "JUAN DOS MORTOS"

A tranquilidade de Juan é completamente destruída por uma epidemia misteriosa (como acontece em todo filme de zumbi) que transforma os cidadãos em mortos-vivos. Pela televisão, a imprensa logo anuncia que a epidemia é obra de dissidentes cubanos financiados pelo governo norte-americano.

Sem trabalho há anos, Juan vê nos seres rastejantes a oportunidade de ganhar dinheiro. Ele recruta um time de matadores de mortos-vivos e oferece o serviço pelas ruas de Havana. Juan atende ao telefone com a frase: "Juan dos Mortos. Matamos seus entes queridos. Em que posso ajudar?".

Outros filmes do gênero
"Todo Mundo Quase Morto" (2004 - Inglaterra - Direção: Edgar Wright)
"A Volta dos Mortos Vivos" (1985 - Estados Unidos - Direção: Dan O'Bannon)
"Zumbilândia" (2009 - Estados Unidos - Direção: Ruben Fleischer)
"Meu Namorado é um Zumbi" (2013 - Estados Unidos - Direção: Jonathan Levine)
"Fome Animal" (1992 - Estados Unidos - Direção: Peter Jackson)

As cenas mais engraçadas do filme são quando a equipe de Juan ainda está aprendendo a exterminar os zumbis. Acreditando que os mortos-vivos estejam do lado dos americanos, Vladi California (Andros Perugorría) estende uma bandeira dos Estados Unidos para se proteger dos ataques. Alertado que não se tratam de americanos, o pouco esperto Vladi apenas substitui a bandeira dos Estados Unidos por uma de Cuba.

Segundo o diretor, os zumbis também representam a parte acomodada da população cubana, “aquela que aceita as coisas como elas vêm”, contou ele. Há alguns anos, olhando algumas pessoas circulando pelas ruas de Havana, o diretor as comparou com os zumbis que povoaram sua infância toda. A comparação também está no filme. Em uma das cenas, um grupo de zumbis rasteja pelas ruas, mas mantém suas atividades normais, como colocar o lixo para fora de casa. Um dos sobreviventes pergunta: "Aqueles são zumbis?". E outra personagem responde: "Pra mim eles parecem normais”.

  • Divulgação / Imovision

    Cena do filme cubano sobre zumbis "Juan dos Mortos", de Alejandro Brugués

Apesar da interessante reflexão sobre a sociedade cubana 50 anos após a revolução socialista, o filme provoca menos risadas do que uma comédia zumbi poderia causar. Depois de 40 minutos de matanças, o filme torna-se repetitivo e algumas piadas de mau gosto chamam a atenção. Em uma delas, o protagonista mata um zumbi enterrando uma torneira de jardim nele e, ao final, o chama de sodomita.

O longa usou boa parte do seu orçamento de US$ 2,7 milhões nos efeitos especiais: cortes de membros, explosões de cabeças, acidentes de carro, implosões de prédio. Nesse sentido, o filme também não faz nada de novo do que outros filmes do gênero já fizeram. Com orçamento de US$ 5 milhões, “Todo Mundo Quase Morto” tem mortes com lançamento de discos de vinis mais engraçadas e mais criativas.

Mesmo com as falhas, não é todo dia que zumbis famintos percorrem as interessantes ruas e história de Havana. O protagonista traz uma alternativa para o povo cubano quando uma situação extrema é apresentada. Além das opções de fugir para Miami, ganhar dinheiro com isso ou se acostumar com a situação, Juan apresenta a alternativa de ficar e lutar por um país melhor.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
TV e Famosos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Topo