Filmes e séries

"Guerra Mundial Z" acelera zumbis para perseguir Brad Pitt

Alessandro Giannini

Do UOL, em São Paulo

27/06/2013 20h48

Adaptação para o cinema do livro de mesmo nome do escritor Max Brooks, "Guerra Mundial Z" investe no gênero zumbi de uma maneira moderna e pouco convencional no que diz respeito à mitologia dos mortos-vivos. No caso do filme de Marc Forster, que traz Brad Pitt e Mireille Enos nos papéis principais, esse investimento tem a forma de uma pandemia global, que se alastra da mesma forma que um vírus, como os micro-organismos da Síndrome Respiratória Aguda Grave (Sars) ou a gripe H1N1. São zumbis ágeis e velozes, diferentes do que estamos habituados em séries de sucesso como "The Walking Dead".

Coproduzido por Brooks e Pitt, "Guerra Mundial Z" permite uma leitura política, tanto quanto "Noite dos Mortos Vivos", de George Romero, pedia quando foi lançado. Barreiras, proteções e medidas extremas não significam nada diante da força avassaladora de uma população inteira anestesiada por uma doença que produz raiva e fome, e leva o ser humano ao estágio mais primitivo da existência. É um mundo à mercê de seus próprios esforços civilizatórios.

É esse mundo que Gerry Lane (Brad Pitt), sua mulher Rachel (Mireille Enos) e as duas filhas encontram quando saem na rua para mais um dia na vida familiar. De repente, a Nova York cosmopolita e de tráfico complicado se transforma em um palco de guerra tomado por seres humanos monstruosos que atacam os sãos e os infectam em apenas 12 segundos.

TRAILER LEGENDADO DE "GUERRA MUNDIAL Z"

Localizado por um alto funcionário das Nações Unidas, o pai de família, ele também um especialista da organização em situações de crise, abre caminho pela cidade e refugia-se em um prédio, para ser resgatado pelas autoridades. Levado a um território seguro, no oceano, formado por navios da marinha internacional, Gerry é obrigado a aceitar uma missão de identificar as possíveis causas da epidemia e tentar pensar em uma cura. Com a segurança da família em foco, ele tenta recusar, mas é obrigado pelas circunstâncias a fazer parte da força-tarefa.

"Guerra Mundial Z" se desenvolve como um filme de aventura em que os zumbis são os obstáculos à evolução da civilização como a conhecemos. Poderiam ser aliens e a fórmula serviria do mesmo jeito. Forster filma ação com habilidade e tem à disposição Pitt e Enos, que são muito convincentes em seus retratos de pais e mães preocupados em manter a família unida. É o que salva o filme de se transformar em mais do mesmo, coisas com as quais o cinema e a televisão estão saturados.

O longa estreia nos cinemas de todo o país nesta sexta-feira (28), comcópias convencionais, em IMAX e em 3D.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
AFP
do UOL
Reuters
AFP
do UOL
Reuters
do UOL
Reuters
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
UOL Entretenimento
Cinema
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
Topo