Filmes e séries

Último filme com Walmor Chagas compete no Festival de Gramado 2013; "Flores Raras" abre o evento

Do UOL, em São Paulo

02/07/2013 12h19

A organização do Festival de Cinema de Gramado anunciou nesta terça-feira (2) os concorrentes e os homenageados da 41ª edição do evento, que acontece de 9 a 17 de agosto na cidade da Serra Gaúcha. Puderam participar da seleção longas-metragens finalizados após 1º fevereiro de 2012 e curtas finalizados a partir de agosto do mesmo ano. 

O filme escolhido para abrir o festival deste ano será "Flores Raras", de Bruno Barreto. Estrelado por Glória Pires e Miranda Otto, a produção reconstitui a história de amor entre a escritora americana Elizabeth Bishop e a paisagista carioca Lota de Macedo Soares. Sua estreia em circuito só acontece em 10 de agosto. Na última edição, o filme escolhido para abrir o festival foi "360", de Fernando Meirelles. 

Trailer de "Até que a Sbórnia nos Separe"

A competição de longas nacionais traz o último trabalho de Walmor Chagas, "A Coleção Invisível", dirigido pelo francês Bernard Attal. O papel do ator era o de um personagem cego, e ele mesmo estava perdendo a visão pouco a pouco. Chagas se suicidou em janeiro deste ano, em sua pousada, em Guaratiguentá (SP). 

Uma surpresa da competição é a animação "Até Que a Sbórnia nos Separe", de Otto Guerra e Ennio Torresan Jr. O filme é o primeiro longa de animação brasileiro inteiramente formatado em 3D. Estrelado por Maitê Proença, "Primeiro Dia de Um Ano Qualquer", de Domingos Oliveira, também está na competição. O longa já havia figurado entre as produções da Mostra de São Paulo de 2012. 

O festival realiza, além das quatro mostras competitivas -- longa-metragem brasileiro, longa-metragem estrangeiro, curta-metragem brasileiro e curta-metragem gaúcho --, mostras paralelas de filmes compostas por produções convidadas pela Coordenação Geral dos Curadores. José Wilker, Rubens Ewald Filho e Marcos Santuario continuam na curadoria da seleção de longas do festival.

Os longas-metragens vencedores receberão um prêmio de exibição no valor de R$ 5 mil -- curtas recebem o prêmio de exibição no valor de R$ 1 mil. Todas as obras exibidas dentro da competição também concorrem ao tradicional troféu Kikito, criado pela artesã Elisabeth Rosenfeld, além de prêmios em dinheiro.

Trailer de Flores Raras

O último vencedor
"Colegas" foi o grande vencedor do 40º Festival de Gramado. O longa-metragem de Marcelo Galvão venceu nas categorias Melhor Filme, Melhor Direção de Arte e Prêmio especial do Júri, este último dado ao trio de atores com síndrome de Down Ariel Goldenberg, Breno Viola e Rita Pokk.

Com uma mudança na administração e curadoria na edição de 2012, o público também pôde acompanhar uma seleção diversificada de filmes e comprar ingressos a preços mais populares. No entanto, falhas na exibição tiraram um pouco do brilho do evento e provocaram reclamações dos competidores.

Veja lista de selecionados para a competição: 

Longas Nacionais
"A Bruta Flor do Querer" (2013) - SP Direção: Andradina Azevedo e Dida Andrade"
"A Coleção Invisível" (2012) - BA Direção: Bernard Attal
"Até Que a Sbórnia nos Separe" (2013) - RS Direção: Otto Guerra e Ennio Torresan Jr.
"Éden" (2013) - RJ Direção: Bruno Safadi
"Os Amigos" (2013) - SP Direção: Lina Chamie
"Primeiro Dia de Um Ano Qualquer" (2012) - RJ Direção: Domingos Oliveira
"Revelando Sebastião Salgado" (2012) - RJ Direção: Betse de Paula
"Tatuagem" (2013) - PE Direção: Hilton Lacerda

Longas estrangeiros
"A Oeste do Fim do Mundo" (2013) – Argentina/Brasil (coprodução) Direção: Paulo Nascimento
"El Padre de Gardel" (2013) – Uruguai Direção: Ricardo Casas
"Puerta de Hierro – El Exilio de Perón" (2012) – Argentina Direção: Dieguillo Fernández e Víctor Laplace
"Repare Bem" (2012) – Portugal Direção: Maria de Medeiros
"Venimos de Muy Lejos" (2012) – Argentina Direção: Ricardo Piterbarg
"Cazando Luciérnagas" (2013) – Colômbia Direção: Roberto Flores Prieto

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
AFP
do UOL
Reuters
AFP
do UOL
Reuters
do UOL
Reuters
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
UOL Entretenimento
Cinema
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
Topo