Filmes e séries

"Wolverine - Imortal" leva herói ao Japão para viver suspense psicológico

Alessandro Giannini

Do UOL, em São Paulo

25/07/2013 07h00

"Wolverine - Imortal" leva o antiherói de temperamento irascível e modos brutos ao Japão para reencontrar velhos conhecidos e embarcar em uma aventura mais introspectiva. Não foi uma escolha aleatória de James Mangold e isso está impresso nas referências aos filmes de Yakuza e samurai que surgem na tela ao longo da projeção.

O novo longa  faz uma ponte entre a saga anterior, protagonizada por Patrick Stewart e Ian McKellen, e a versão jovem, "X-Men: Primeira Classe" (2011), com James McAvoy e Michael Fassbender como protagonistas.

Quando o filme começa, Wolverine (Hugh Jackman) questiona sua própria existência. Usado pelas Forças Armadas, pelo governo, por inimigos, vilões e até por entes queridos, ele começa a encarar sua imortalidade como uma maldição. Neste contexto, é atraído para o Japão, que não visitava desde a Segunda Guerra Mundial, e se vê envolvido em uma trama que o coloca em confronto direto com a Yakuza e uma linhagem de samurais.

TRAILER LEGENDADO DE "WOLVERINE - IMORTAL"

Ao construir o enredo mais em torno da mente do personagem do que das engrenagens da trama, Mangold transforma o filme em uma aventura de ação e suspense psicológica. E ao aproximar Wolverine do samurai sem senhor e errante, chamado de Ronin, o cineasta faz com que o herói questione seus propósitos e objetivos, seus atributos e até sua mortalidade.

Tendo como cenário o Japão contemporâneo, em que modernidades, tradições e códigos de honra convivem, "Wolverine - Imortal" coloca em confronto o erudito e o popular, uma metáfora que se encerra na revelação do colossal Samurai de Prata. É um filme mais inteligente e menos superficial do que se pode imaginar.

É a sexta vez que Jackman interpreta Logan, recorde em que um único ator interpretou um herói dos quadrinhos. Além da prática de se moldar ao personagem, ele é um ator versátil e de qualidades evidentes, carismático e com personalidade. A atriz japonesa Tao Okamoto faz o papel de Mariko, o par romântico do herói, e Rila Fukushima encarna a guarda-costas e espadachim Yukio.

No trio de protagonistas, Jackman prepondera, tanto pela experiência quanto pela performance. Escolhidas por meio de testes, Okamoto e Fukushima apenas marcam presença com seus belos rostos e corpos. A atriz russa Svetlana Khodchenkova, no papel de Víbora, uma mutante esperta e traiçoeira de olhos verdes, se destaca como vilã sem nunca assumir um papel de protagonismo. 

JACKMAN FALA SOBRE COMO JAPÃO É MOSTRADO NO LONGA

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
do UOL
redetv
do UOL
EFE
do UOL
do UOL
do UOL
Cinebiografia a caminho
Reuters
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
do UOL
Chico Barney
Roberto Sadovski
redetv
redetv
do UOL
EFE
EFE
do UOL
do UOL
Cinema
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
EFE
EFE
Colunas - Flavio Ricco
Roberto Sadovski
redetv
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Jogos
Reuters
do UOL
EFE
Topo