Filmes e séries

"Ele pode bater à vontade, mas no dublê", diz Hassum sobre luta com Anderson Silva em comédia

Montagem/UOL
Hassum e Anderson Silva vão lutar MMA em "Até Que a Sorte Nos Separe 2" Imagem: Montagem/UOL

Fabíola Ortiz

Do UOL, no Rio de Janeiro

29/07/2013 07h00

A sequência de “Até Que a Sorte Nos Separe”, de Roberto Santucci, vai colocar o comediante Leandro Hassum em um octógono de MMA com o lutador Anderson Silva, que fará uma participação especial como Andrew Silver.

“Só de me botar para lutar num octógono, já se torna uma piada. Eu vou entrar na porrada. Ele pode bater à vontade, mas no dublê”, brincou Hassum.
 
O comediante falou com a imprensa durante as gravações do segundo longa no Rio de Janeiro. No início de agosto, a produção do filme e o elenco já seguem para Las Vegas, onde deve ser gravada a maior parte de “Até Que a Sorte Nos Separe 2”.

Imagina ele (Anderson Silva) no octógono com o Lelê (Hassum). O público vai poder ver ele tomando umas e outras do Anderson

Roberto Santucci
 
O diretor disse que a ideia de ter Anderson Silva faz parte de um “desejo inconsciente” da produção e garantiu que o lutador está “animadaço” para o filme. 
 
“Imagina ele (Anderson) no octógono com o Lelê (Hassum). O público vai poder ver ele tomando umas e outras do Anderson Silva”, disse o diretor.
 
Com muitas cenas programas para as locações de Las Vegas, Hassum não vai ter muita folga, mas pretende dar uma passadinha nos cassinos. “Vou trabalhar igual a uma mula em Las Vegas, estou em 90% das cenas no filme. Praticamente não vou ter folga, mas se der para dar uma fugidinha. Vou ficar morando no cassino. Pelo menos jogar todo o meu cachê”, disse o ator, aos risos.
 
O segundo filme da franquia de maior bilheteria em 2012 terá ainda participações de Arlete Salles, Berta Loran, Rodrigo Sant’anna e Henri Pagnoncelli.
 
“Filme do ano”
Depois de ter levado um público de mais de 3 milhões de espectadores e lucrado R$ 33,8 milhões com o primeiro longa, o cineasta Roberto Santucci aposta na sequência de "Até Que a Sorte Nos Separe" para ser, mais uma vez, o "filme do ano"
 
O comediante Leandro Hassum repete a dose como Tino, um pai de família que é salvo de uma bancarrota da família pela inesperada herança do ricaço tio Olavinho. O testamento traz um pedido incomum: o falecido deseja que suas cinzas sejam lançadas no Grand Canyon. Aproveitando a viagem fúnebre, a família resolve dar uma esticada até Las Vegas e viver a aventura dos cassinos.
 
No lugar de Danielle Winits, que interpretou Jane no primeiro filme – a mulher de Tino –, Camila Morgado é quem assume o papel nessa continuação. A atriz transformou completamente seu visual ficando loira para viver Jane, uma "perua tentando ser rica".
 
O filme é produzido pela Gullane em parceira com a Globo Filmes, e coproduzido e distribuído pela Paris Filmes, Downtown Filmes, pela RioFilme e Telecine. Santucci admitiu que já pensa em um terceiro filme da franquia. 
 
A produção de R$ 6 milhões tem previsão para estrear em dezembro de 2013.
 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
AFP
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
TV e Famosos
Topo