Filmes e séries

Mãe diz que pneumonias atrasaram recuperação de diretor Fábio Barreto

AgNews
O diretor Fábio Barreto realiza tratamento com médicos norte-americanos após acidente de carro em 2009 Imagem: AgNews

Mariane Zendron

do UOL, em Gramado (RS)

10/08/2013 12h49

O início da 41ª edição do Festival foi marcada pela presença de quatro membros da família Barreto: o casal Luiz Carlos e Lucy e os filhos Paula e Bruno. Pais e filha produziram o longa “Flores Raras”, que abriu o festival nesta sexta (9), e Bruno foi o responsável pela direção do longa estrelado por Glória Pires.  Com isso, a ausência sentida foi a de Fábio Barreto, também envolvido com a direção de filmes desde a década de 1970 e que está sem trabalhar desde 2009, ano em que sofreu um acidente de carro.

Desde o acidente, Fábio realiza um tratamento em casa com a supervisão do Hospital das Clínicas em São Paulo. Em 2012, ele passou a contar com o auxílio de médicos da faculdade de medicina de Harvard, em Boston. O diretor apresenta um estado mínimo de consciência, mas vem tendo evoluções do quadro, de acordo com a família.

Em coletiva para divulgar “Flores Raras”, que entra em circuito nacional no dia 16 de agosto, Lucy Barreto diz que Fábio está bem e passa por um tratamento com drogas que estimulam seus neurônios. O tratamento também inclui, segundo a produtora, a estimulação do nervo trigêmeo, que tem função motora e sensitiva, mas que controla, principalmente, a musculatura da mastigação e a sensibilidade facial.
A produtora contou, no entanto, que Fábio teve duas pneumonias neste ano, que atrasaram essa recuperação. “Temos muita fé de que vamos conseguir e estamos fazendo tudo para isso”, disse Lucy, que ainda afirmou que a família continua em busca de novos tratamentos.

Contando com a atuação de Glória Pires, Fábio também dirigiu “O Quatrilho”, indicado ao Oscar de Melhor Filme Estrangeiro de 1996 e “Índia, Filha do Sol” (1982). Na coletiva, a atriz lembrou que viver uma índia foi um dos trabalhos mais complexos de sua carreira. “Eu era uma menina de cidade e não tinha qualquer relação com a vida no campo. Foi um papel muito difícil. Não havia ‘coaching’ naquela época. O que eu fiz ali foi depois de uma pesquisa pessoal”, disse ela.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
UOL Cinema - Imagens
Cinema
do UOL
AFP
do UOL
Reuters
AFP
do UOL
Reuters
do UOL
Reuters
do UOL
BBC
do UOL
Chico Barney
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
UOL Entretenimento
Cinema
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Topo