Filmes e séries

"Cada personagem me dá pânico", diz Marieta Severo, que está em "Vendo ou Alugo"

Fabíola Ortiz

Do UOL, no Rio de Janeiro

12/08/2013 07h00

“Acho dificílimo fazer comédia, mas adoro”, admitiu Marieta Severo que protagoniza Maria Alice, uma dondoca decadente da zona sul carioca, em “Vendo ou Alugo”, que está em cartaz no circuito nacional desde sexta-feira (9).

Em uma conversa bem humorada, Marieta, 66, falou ao UOL sobre a experiência de contracenar como mãe de Silvia Buarque e filha de Nathalia Timberg.

Há 13 anos com a personagem Dona Nenê em “A Grande Família” da Rede Globo, a atriz topou viver no cinema uma personagem oposta à esposa de Lineu no seriado, sem pudor e que fuma maconha.

“Cada personagem que eu pego, fico sempre num pânico achando que não vou conseguir, que não vai dar certo, que é o personagem mais difícil da minha vida... já desisti de não ter isso, achei que fosse mudar com o tempo...”, contou.

Trailer do filme "Vendo ou Alugo"

Dirigido por Betse de Paula, a comédia foi filmada em um casarão antigo no Morro do Chapéu Mangueira, no Leme, próximo ao bairro de Copacabana, na zona sul do Rio. O filme tem como pano de fundo questões atuais da cidade, como a pacificação das favelas e a especulação imobiliária.

“Vendo ou Alugo” conta com um elenco de peso e retrata a história de uma família em decadência com quatro gerações de mulheres que tentam escapar da falência. Marcos Palmeira vive um bandido no Morro, e faz par romântico com Marieta.

Ao tentar definir sua personagem no cinema, Marieta destaca que Maria Alice representa uma fatia de sua própria geração. “Essa mulher fazia parte da elite carioca, filha de um embaixador, frequentava o topo da pirâmide social e, ao mesmo tempo, representante da geração que desbundou, com Arembepe e Mick Jagger. Só que para ela aquilo não resultou muito em nada”.

No filme, Maria Alice é uma mulher completamente falida, irresponsável e acha normal não pagar IPTU. “As soluções que ela dá para a vida são completamente estapafúrdias. Todos os personagens são muito incorretos e o olhar sobre eles é sem preconceito, sem julgamento, sem caminhos morais”, comentou.

Par romântico com Marcos Palmeira

Marieta conta que encarou bem formar com Marcos Palmeira um par romântico na trama. “Ele é bem mais jovem que eu. Já fiz teatro com o Marquinhos. Eu estava completamente à vontade. A gente se conhece uma vida inteira. E, por essa cumplicidade, várias coisas foram sendo criadas na hora e que não estavam no roteiro”; disse.

A atriz foi a primeira a ser convidada por Betse de Paula para integrar o elenco da comédia e, por ser bastante minuciosa no estudo do roteiro, Marieta praticamente ajudou na preparação do elenco ao dar palpites e dicas para os atores.

“Como eu estava no filme desde o início, Betse me deu liberdade e eu fui me apropriando. Tiveram sequências que foram criadas na hora”, comentou.

Fim de “A Grande Família”

Após mais de uma década no ar com "A Grande Família", Marieta conta que o seriado está próximo de seu fim. “Não sabia que ia durar tanto tempo. 'A Grande Família' terá um final, a gente não vai ficar o resto da vida fazendo, a gente já está sinalizando que quer parar, já está de bom tamanho”, afirmou.

Além do lançamento do filme, Marieta também está concentrada na estreia em setembro da peça “Incêndios”, no Teatro Poeira, no Rio. Ela atua nesta tragédia épica contemporânea do canadense Wajdi Mouawad dirigida por Aderbal Freire-Filho.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
TV e Famosos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Topo