Filmes e séries

Fernanda Montenegro será estrela do novo filme de Domingos Oliveira

Alex Palarea e Léo Marinho/AgNews
No filme de Domingos Oliveira, Fernanda Montenegro será Dona Mocinha, a severa matriarca de uma família carioca Imagem: Alex Palarea e Léo Marinho/AgNews

Mariane Zendron

Do UOL, em Gramado (RS)

16/08/2013 12h50

A atriz Fernanda Montenegro estará no novo filme de Domingos Oliveira, inspirado na peça "Do Fundo do Lago Escuro". A novidade foi anunciada pelo próprio diretor, nesta sexta (16), que concorre na categoria de longas nacionais do Festival de Gramado com o longa "Primeiro Dia de Um Ano Qualquer".

A peça, escrita por Domingos há mais de 30 anos, é ambientada nos anos 50 e conta a história de uma família carioca comandada por uma severa matriarca, Dona Mocinha, papel que no cinema será de Montenegro. A atriz já havia participado de uma das montagens do espetáculo na década de 1980. Também com Paulo Betti e Priscilla Rozenbaum no elenco, o longa deve começar a ser filmado no final de setembro deste ano.

"Um dia, a Fernanda me perguntou por que eu ainda achava graça nessa peça. Ela é um gênio. Pensei um pouco e respondi que era para comemorar nosso reencontro", disse Domingos a uma plateia de jornalistas.

Cinema brasileiro
O diretor, que tem mais de 15 filmes no currículo, criticou as comédias que lotam os cinemas do país. "Dizem que o cinema brasileiro vai bem. Não é verdade. O cinema brasileiro vai muito mal. São filmes de baixa qualidade. Não consigo assisti-los até o final. São muito chatos", disse ele.

Domingo também ressaltou a importância do cinema como função social. "O bom filme é aquele que ajuda o espectador a viver melhor e ensina coisas que as pessoas não sabem. O cinema é importantíssimo na formação de um homem e explica a vida na sua profundidade".

"Primeiro Dia de Um Ano Qualquer", estrelada por Maitê Proença, é uma comédia que foge dos padrões comerciais ao contar um dia na vida de um grupo de familiares e amigos que comemora a chegada de um Ano Novo qualquer em uma luxuosa casa nos arredores do Rio de Janeiro.

A produção foi filmada na propriedade de Maitê Proença que contou que só abriu as portas de sua casa "porque era o Domingos". Ela também contou que as filmagens não tiveram tanta cerimônia como acontece normalmente em set de filmagem. "Atuar era a última das minhas preocupação. Quando você tem o Domingos como padrão, você tem que se divertir", disse a atriz. 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
TV e Famosos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
Cinema
Topo