Filmes e séries

Clooney diz que não queria aparecer "com roupa de baixo" em "Gravidade"

Neusa Barbosa

Do UOL, em Veneza

28/08/2013 10h44

A exibição de estreia do 70º Festival de Veneza 2013 começou nesta quarta-feira (28) com um atraso de meia hora por causa de problemas técnicos com alguns dos óculos 3D. Foi a primeira sessão do gênero da história do evento, fundado em 1932. O filme responsável pela introdução do formato no festival foi "Gravidade", o que trouxe o habitual tumulto em torno de George Clooney.

Aos 52 anos, Clooney exibe boa forma, mas revelou que "não queria aparecer com roupa de baixo" no longa --cenas que ocorrem com mais frequência com sua colega Sandra Bullock, inclusive na final, dentro de naves à deriva ou danificadas. "Eu e Sandra praticamos ioga Bikram juntos", brincou o ator sobre a preparação física para as filmagens. "Física e mentalmente, foi a coisa mais maluca, mais bizarra e mais desafiadora. Mas você descobre do que é capaz", completou Sandra Bullock.
 
Na verdade, o maior esforço foi mesmo de Sandra, que conversou com diversos astronautas que tinham vivido a situação de estarem numa estação espacial; e filmou várias cenas num compartimento mínimo, encaixada numa máquina da cintura para baixo. "Eu fazia as perguntas mais bizarras [aos astronautas], do tipo 'o que acontece com seu corpo sob gravidade zero'? Conheci pessoas incríveis, com um amor apaixonado por aquilo que faziam e pelo universo. Isto realmente te faz ter humildade".

TRAILER LEGENDADO DE "GRAVIDADE"

Claustrofobia no espaço
A maior parte da história de "Gravidade" é claustrofóbica, com seus dois protagonistas lançados no espaço, numa situação de risco, necessitando encontrar uma nave que possa trazê-los de volta à Terra, depois de explosões espaciais e chuva de fragmentos. 

Para o diretor Cuarón (o mesmo de "Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban"), a preocupação com a verossimilhança, a partir de contatos com inúmeros consultores técnicos, foi contrabalançada com um foco no entretenimento. "Preocupamo-nos em nos informar como um objeto empurra outro no espaço, por exemplo. Mas nem por isso deixamos de tomar liberdades. Nunca tivemos a intenção de que nosso filme parecesse um documentário".
 
Outra preocupação era com os próprios atores. "Tivemos cuidado em como os atores absorveriam todas aquelas informações sobre a perda da gravidade. De várias maneiras, sua interpretação teve que ser bem abstrata, reagindo a marcas e deixas muito específicas. É muito difícil criar uma performance a contento nestas condições. O que fizeram é realmente espantoso", observou o diretor.
 
Cuarón também admitiu que há um "aspecto metafórico" na própria escolha do espaço sideral como cenário de sua história. "Quando começamos a desenvolver o roteiro, fomos atropelados pela crise econômica e tivemos de repensar tudo. Focamos na ideia de adversidade e na possibilidade de renascer. E é óbvio que o renascimento é também uma aceitação da morte, ainda que seja a jornada de uma personagem para sair da bolha e voltar à Terra".
 
Críticos e jornalistas receberam muito bem o filme, que foi aplaudido após sua projeção. "Gravidade" tem estreia prevista para 10 de outubro no Brasil.
 
Questões políticas e Ben Afflleck
Depois da exibição do filme, Clooney foi, mais uma vez, alvo de perguntas inusitadas e de ordem política --como se acreditava que o presidente norte-americano Barack Obama deveria mandar tropas à Síria. "Estava esperando esta pergunta. Isto e mais questões sobre Ben Affleck [cuja escolha como o novo Batman, papel que já foi de Clooney, vem despertando polêmicas]. Depois das risadas que dominaram a sala de coletivas, ele continuou, dessa vez mais sério. "A verdade é que não tenho como responder a isso [Síria]", respondeu, com bom humor.
 
Outra pergunta política se referiu a um satélite, financiado por Clooney, para monitorar a instável situação do Sudão. "É nosso dever lançar alguma luz sobre esses lugares. E, felizmente, posso dizer que agora os ataques àquele país têm diminuído, ocorrendo à noite ou atrás de nuvens". Quebrando a seriedade do tema, voltou-se para o jornalista que fizera a pergunta e disse: "Estou de olho em você, cara!".

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
TV e Famosos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
Topo