! Tatum comenta queda de 3 metros em "O Ataque" e fala de seu 1º papel de pai - 05/09/2013 - UOL Entretenimento

Filmes e séries

Tatum comenta queda de 3 metros em "O Ataque" e fala de seu 1º papel de pai

Natalia Engler

Do UOL, em Cancún (México)*

05/09/2013 06h00

Novo queridinho dos filmes de ação, o ator Channing Tatum é conhecido por gostar de fazer suas cenas perigosas sem dublê. Mas em "O Ataque", que estreia nesta sexta (6), ele enfrentou um de seus maiores desafios para proteger o presidente vivido por Jamie Foxx: uma queda de quase três metros de altura, de costas. Tatum fala sobre isso em entrevista em vídeo concedida ao UOL (veja acima).

"O problema é que pular de pé e cair de pé é diferente de cair de costas. Eu sou jogado para trás. Então você vai para trás e cai quase três metros de costas. Se te jogam meio de lado ou se você vira no ar, você cai de lado e pode quebrar o quadril. Tem que bater com o pé primeiro. É uma coisa técnica. É provavelmente a maior loucura que já fiz", conta o ator.

Jamie Foxx, seu companheiro de cena, diz que não sentiu nenhuma vontade de fazer as mesmas loucuras que o colega: "Num determinado momento do filme eu disse ‘não vou fazer essa p****!’. Ele faz um negócio em estamos no poço do elevador e ele pula para um outro troço e eu tive que sair do personagem e dizer: 'não vou, não vou fazer isso'. Ele é jovem e ágil".

Juventude e agilidade que, segundo Maggie Gyllenhaal, par romântico de Tatum, não passam despercebidas. "Channing é Channing. Tão sexy. Às vezes eu pensava: 'toda mulher quer apenas te tocar', e eu tocava nele, como representante de todas as mulheres", conta, aos risos. 

O longa é dirigido por Rolland Emmerich ("Independence Day"), que mais uma vez destrói a Casa Branca em uma trama que coloca terroristas dentro do lar do presidente americano (Foxx) no dia em que um policial (Tatum) leva sua filha para acompanhá-lo em uma entrevista para o Serviço Secreto.

Questionado se teve medo de dizerem que iria mais uma vez explodir a Casa Branca, Emmerich diz que "sempre". "Mas de certa maneira é como quando você faz filmes de super-heróis. 'Ah, outro super-herói?'. Acho que cada um dos meus filmes é decisivamente diferente do outro. Não acho que seja muito uma repetição", afirma.

Tatum, 33, que se tornou pai da menina Everly em maio, também interpreta um pai pela primeira vez em "O Ataque". "Eu não sabia [da gravidez] por quase todo o filme. Nós não sabíamos. Mais para o fim do filme, Jenna me contou, e foi louco, porque eu nunca tinha tido um filho em um filme antes. Acho que é como tem que ser. Estou chegando na idade em que posso interpretar personagens que têm filhos e estou chegando num momento da minha vida em que eu deveria ter um filho. Foi legal. Se a minha filha for tão legal quanto a pequena Joey King, vou dançar de alegria. Ela é um serzinho especial", diz.

Assista à entrevista completa no vídeo no topo da página.

* A jornalista viajou a convite da Sony Pictures.

$!$render-component.split('/')[$math.sub($render-component.split('/').size(), 1)]

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
TV e Famosos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
Topo