! "É bem realista", diz padre exorcista em sessão de "Invocação do Mal" - 13/09/2013 - UOL Entretenimento

"É bem realista", diz padre exorcista em sessão de "Invocação do Mal"

Rodrigo Capote/UOL
O padre Jader Pereira, da Igreja Católica Apostólica Renovada, defende que o o longa é realista Imagem: Rodrigo Capote/UOL

Leonardo Rodrigues

Do UOL, em São Paulo

13/09/2013 04h47

A pré-estreia de "Invocação do Mal" nesta quinta-feira (12) em São Paulo contou com meninas vestidas de zumbis, objetos cênicos e até mesmo um padre exorcista entre os convidados. Jader Pereira, 40, que disse ser especialista em exorcismo, afirmou ao UOL na sessão ocorrida em um casarão na Avenida Paulista que já teve de lidar com casos semelhantes ao da família Perron – amaldiçoada por um espírito no filme de terror baseado em uma história real.

  • Divulgação

    Conheça a casa real dos investigadores paranormais que inspiraram "Invocação"

“Vi o filme mais de uma vez e posso afirmar que ele é sério. Mostra com muito realismo a forma como acontecem as possessões, com certas sutilezas e muito pouco exagero, diferente de outros tipos de terror”, afirma o padre, admirador de produções mais clássicas, como “Bebê de Rosemary” e “O Exorcista”.

Montada no quintal do casarão "assombrado" construído em 1905, a sala ao ar livre atraiu um público majoritariamente jovem ao famoso imóvel abandonado no número 1919. Na entrada, luzes vermelhas em uma corredor escuro e habitado por meninas fantasmagóricas. No caminho até o quintal do casarão, surge ainda uma banheira, que jaz próxima a uma corda pendida em um nó de forca.

Foi esse o cenário de horror que pouco mais de 200 convidados experimentaram na pré-estreia do longa do diretor James Wan, que chega nesta sexta aos cinemas brasileiros. Se 22% dos americanos afirmam já ter visto criaturas do além, como exibe um dos cartazes de divulgação do filme, os paulistanos pareciam mais céticos. Nenhum dos dez espectadores ouvidos pelo UOL disse já ter visto um fantasma. Apesar (ou por causa) disso, todos estavam ali sob o mesmo pretexto: se assustar com eles.

“Eu não tenho medo, mas espero ficar, vim aqui só para ser assustada”, entregou a publicitária Fabiana Motroni, 42. “O medo é um sentimento que gera um processo químico no corpo, que dá um ‘barato’, e que todo mundo gosta”.

“Pelo que vi no trailer, espero muito sair daqui com arrepios, e ainda mais por saber que é uma história real. Eu vim por causa do medo, é algo que anda em falta no mercado de filmes hoje, que só tem desenho animado”, disse o empresário João Paulo Ribeiro, 34.

Inspirado em uma história real de 1971, o longa mostra uma família do Estado americano de Rhode Island que se muda para uma casa afastada da cidade. Lá, aos poucos, eles começam a perceber fenômenos sem explicação. Desesperada, a mãe da família – interpretada pela atriz Lili Taylor – pede ajuda a um casal que trabalha com investigações paranormais.

Durante a projeção, sustos atrás de sustos. A plateia gritava (ainda que “discretamente”), se debatia nas cadeiras, e, a cada ápice de tensão, levava invariavelmente as mãos à boca, demonstrando incredulidade. Alguns pareciam querer apenas olhar para o lado, ou em direção ao celular, só para não encarar a medonha “realidade” projetada na tela. A reação certa de todo bom suspense.

“Este é um dos filmes de terror mais eficientes, principalmente pelo seu conteúdo. Conta a história de fantasmas sob o prisma não só da família assombrada, mas também dos investigadores. Por ser real, acho que as pessoas ficam mais arrepiadas. São várias histórias dentro de uma: a do casal de investigadores, a boneca, a mulher que é possuída. É completo”, diz o professor Marcelo Milice, 34, editor do site “Boca do Inferno”, dedicado ao horror na sétima arte.

Na saída da sessão, já na madrugada de uma sexta-feira 13, um certo clima de alívio atrelado à uma estranha sensação de apreensão, que levava a uma óbvia pergunta: Quem vai conseguir dormir sem lembrar da boneca Annabelle, das portas que se abrem e fecham sozinhas, de pernas misteriosamente puxadas durante o sono e das fortes sequências de exorcismo na família Perron?

“Acho que hoje, pelo menos, eu não vou conseguir”, confessa o adolescente Levy Fernandes, 15. “Bem, eu já sei o que eu vou fazer: trancar e calçar todas as portas e pendurar uns sininhos nas maçanetas. Assim não vai ter problema, não”, brinca  Fabiana.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor