Cinema

Rooney Mara se inspira em passado de ativista para personagem de "Trash"

Fabíola Ortiz

Do UOL, no Rio de Janeiro

Para viver uma professora de inglês para crianças carentes no filme “Trash”, de Stephen Daldry, a atriz Rooney Mara, de 28 anos, diz que se inspira no passado de ativista social, quando foi voluntária em projetos sociais na África e em países da América Latina.

“Não é filme de favela”, diz roteirista

Divulgação
O roteirista Felipe Braga foi responsável por traduzir e adaptar o roteiro de Richard Curtis (“Cavalo de Guerra”, “Quatro Casamentos e Um Funeral”, “Um Lugar Chamado Notting Hill”) com os toques brasileiros. Ele brinca que trouxe o roteiro para o “carioquês” e citou casos ou situações que às vezes os estrangeiros não compreendem, como o papel das policiais. “Passei dois meses tendo que explicar o que cada uma das polícias faz, a civil, a militar e a guarda municipal”, contou. Braga diz ainda que “Trash” não é um filme de favela e garante que foge do clichê dos morros cariocas e não quer reproduzir a imagem criada por “Cidade de Deus” ou “Tropa de Elite”.

A atriz de “Terapia de Risco”, “Millenium – Os Homens que não amavam as Mulheres” e “A Rede Social” encarna Olivia, uma jovem trabalhadora de uma ONG, e contracena com Martin Sheen no thriller que está sendo filmado no Rio de Janeiro.

“É muito mais fácil viver esse papel e mergulhar nele, mesmo que eu nunca tenha feito nada disso no Brasil. Passei alguns anos fazendo algo similar na África e fiz alguma relação com a personagem e as situações”, disse a atriz nesta terça-feira (17) no set de filmagens do longa.

“Outro dia estávamos gravando uma aula de inglês, me lembrei dos lugares onde estive e dos momentos que tive com crianças. Estava tudo ali, toda a energia e pareceu muito autêntico para mim”, relata.

A atriz conta que esteve no Equador, no Peru e na Bolívia em trabalhos voluntários, mas nunca no Brasil. “Eu não fazia ideia de como seria. Infelizmente ainda não tive tempo para ver muitas coisas por aqui. Vou ter alguns dias de folga e espero poder visitar alguns lugares. É um país lindo, gostei de tudo o que tenho visto até agora”, disse.

 

O filme
Filmado no Brasil e quase todo falado em português, "Trash", de Stephen Daldry, aposta no tema do lixo para o produzir o thriller com Martin Sheen e Rooney Mara no elenco. A produção construiu até um lixão cenográfico no Rio de Janeiro.

Daldry, três vezes indicado ao Oscar --por "Billy Elliot", "As Horas" e "O Leitor"--, desembarcou no Brasil há seis meses para rodar a mais nova coprodução entre a inglesa Working Title, PeaPie Films e a O2 Filmes de Fernando Meirelles.
 

Teria sido muito melhor se filmássemos em um lixão verdadeiro, mas é um ambiente muito difícil para gravar, havia o risco de higiene. As situações são aterrorizantes para quem vive nesses locais e é perigoso

Stephen Daldry, diretor de "Trash
"Trash" é adaptado do livro de Andy Mulligan e roteirizado por Richard Curtis (que fez "Cavalo de Guerra", "Quatro Casamentos e Um Funeral" e "Um Lugar Chamado Notting Hill"). O longa é um thriller contemporâneo que acompanha três meninos, Raphael, Gardo e Rato, que vivem num lixão. 
 
"Escolhemos o Rio porque já temos uma relação estabelecida com Fernando Meirelles. Foram muitas razões práticas, mas também por motivos pessoais", garantiu o diretor em conversa com os jornalistas nesta terça-feira (17).
 
"Teria sido muito melhor se filmássemos em um lixão verdadeiro, mas é um ambiente muito difícil para gravar, havia o risco de higiene. As situações são aterrorizantes para quem vive nesses locais e é perigoso. Então tivemos que construir nosso próprio lixo. Para mim, parece um verdadeiro lixão", comentou Daldry que está a frente do projeto desde 2010 e que se mudou para o Rio há seis meses com sua família.
 

 

$!$render-component.split('/')[$math.sub($render-component.split('/').size(), 1)]

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 
Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Topo