Filmes e séries

"Aparecer nu fazia parte do contrato", brinca Gentili sobre cenas de filme

Mariane Zendron

Do UOL, em São Paulo

23/09/2013 14h29

Com muitas cenas de nudez no filme "Mato Sem Cachorro", o humorista Danilo Gentili diz que mostrar o corpo foi sua exigência para participar do longa. 

"Aparecer nu fazia parte do contrato. Queria mostrar para as pessoas que não sou só um rostinho bonito na TV. Quis mostrar esse meu outro lado", brincou, em entrevista coletiva sobre o filme nesta segunda-feira (23), em São Paulo. O humorista disse que a única dificuldade nas cenas foi que "Gagliasso não tirava o olho". 
 
Mesmo com a presença de Leandra Leal e Bruno Gagliasso, protagonistas do filme, a coletiva teve como destaques Gentili --com suas piadas nem sempre tão engraçadas-- e o cachorro Duffy, que também faz parte do elenco. 
 
Acompanhado de seu adestrador, o bichinho se comportou quase a coletiva inteira. Sentou ao lado do elenco e interrompeu com latidos as falas dos atores em poucos momentos. Danilo apareceu vestido de Robin Hood, porque ele aparece dessa maneira em uma das cenas do filme quando seu personagem vai a uma festa a fantasia tentar conquistar Mariana, vivida por Gabriela Duarte.  
 
O filme marca a estreia de Gentili nas telonas e de Pedro Moreira na direção. Pedro contou que sempre foi um fã de "Sessão da Tarde". "No auge da minha infancia, tinha um filme chamado 'Benji' [que tem um cão como personagem principal], que me fez chorar muito mais do que 'Sociedade dos Poetas Mortos'", disse o diretor. 
 
No filme, Bruno Glagliasso vive Deco, um cara que adora jogar videogame e que não gosta muito de sair de casa. 
 
Ao sair para socorrer seu primo, Leleo (Gentili), ele quase atropela um cachorro e conhece Zoé (Leandra leal). Deco e zoé se apaixonam, mas o relacionamento termina pois ela se cansa da preguiça de Deco. Ela leva o cão do casal embora e agora Deco tem que pegar de volta o que é dele. 
 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
Cinema
do UOL
AFP
do UOL
Reuters
AFP
do UOL
Reuters
do UOL
Reuters
do UOL
BBC
do UOL
Chico Barney
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
UOL Entretenimento
Cinema
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Topo