Filmes e séries

Festival de Brasília dá sinais de enfraquecimento, mas é sucesso de público

Carlos Minuano

Do UOL, em Brasília

24/09/2013 11h00

Se por um lado o Festival de Brasília, que encerra nesta terça-feira (24) dá sinais de enfraquecimento por formato segmentado, falhas e debandada de filmes para outras mostras, em outra margem, resiste como um importante espaço para produções independentes e experimentais. E mantém-se como polo efervescente de encontros e discussões sobre os rumos do cinema nacional.

Na opinião do diretor José Eduardo Belmonte ("Billi Pig"), o excesso na segmentação é um dos pontos negativos do atual formato da mostra – o mais antigo do país e um dos poucos que ainda contempla exclusivamente o cinema nacional. “Divisão entre documentário e ficção é um conceito muito antigo, é preciso repensar isso”, afirma.

A mostra competitiva começou também com um tropeço técnico na exibição de “Os Pobres Diabos”, longa cearense do cineasta Rosemberg Cariry, que saiu prejudicado da disputa. A exibição na primeira noite teve que ser cancelada por falhas na projeção, sendo exibido, do começo ao fim, na sexta-feira (20), porém a um público reduzido. Programada para 22h30, a sessão começou quase meia-noite, com menos da metade da sala ocupada.

Apesar do prejuízo para seu filme, Cariry não reclamou. “É uma glória subir nesse palco pela segunda vez, estamos agradecidos e comovidos”, disse antes da exibição, se referindo à solidariedade de colegas e do público. O filme recebeu um longo (e merecido) aplauso de quem resistiu até o final da exibição, por volta de 1h30 da madrugada.

O filme de Rosemberg não foi o único a sofrer com problemas na projeção. Maria Augusta, diretora do documentário carioca “Morro dos Prazeres”, reclamou da tensão na hora de testar a cópia. “Falhou várias vezes, foi estressante, mas na exibição correu tudo bem”.

Outros empecilhos atrapalharam a edição deste ano do Festival de Brasília. Os ajustes na grade de programação afetaram o Festivalzinho, de curtas infantis, que teve sua programação suspensa durante o fim de semana.

E “A Estrada 47”, de Vicente Ferraz, selecionado para a mostra competitiva de longas de ficção, declinou da participação. Por decisão da distribuidora, a Europa Filmes, vai estrear na mostra Première Brasil, do Festival do Rio, que acontece de 26 de setembro a 10 de outubro.

Em seu lugar, entrou o pernambucano “Amor, Plástico e Barulho”, de Renata Pinheiro, umas das sessões mais cheias do festival. Quase faltou espaço no chão para acomodar o público.

Sucesso de público

Apesar dos problemas, o festival foi um sucesso de público. O Cine Brasília, que acaba de passar por reforma, esteve lotado em quase todas as sessões que a reportagem do UOL acompanhou. Um vigor que se contrapõe à percepção de parte da crítica, e de alguns cineastas, quanto a seu provável enfraquecimento.

Uma das vozes em defesa da relevância do Festival de Brasília é a de Ralfe Cardoso, um dos organizadores do Festival de Cinema de Gramado. “Tem virtudes inquebráveis, é fonte de inspiração para outras mostras”, garante.

Ele rebate o argumento de que seja um equívoco a opção pela divisão em segmentos – documentários, curtas locais, longas ficcionais e animação. “Torna as coisas mais visíveis, seja para o público, realizador ou organizador”.

A atriz Silvia Buarque (de "Os Pobres Diabos"), afirma não ter ainda uma opinião formada sobre o assunto, mas concorda com Cardoso. “Acho complicado ir a um festival com seis longas, em que três são ficção e os outros, documentários, do ponto de vista do ator, a competição fica mais fácil”, diz.

Já para o cineasta brasiliense, André Miranda, a segregação do festival veio dentro de um pacote equivocado de renovação, que inclui ainda o aumento na premiação para atrair mais o gênero ficcional, que andava sumido de Brasília. “Foi a forma encontrada para resolver esse problema, estavam com muito mais documentários, houve uma edição com apenas um longa de ficção”.

Nesta edição da mostra competitiva serão R$ 700 mil em premiações. O melhor longa de ficção leva o maior prêmio, de R$ 250 mil. O melhor documentário fica com o segundo prêmio, de R$ 100 mil. Os filmes vencedores serão anunciados nesta terça-feira, (24).

 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
TV e Famosos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
Cinema
Colunas - Flavio Ricco
Reuters
do UOL
do UOL
Topo