Filmes e séries

Filme vencedor de Cannes é proibido no estado americano de Idaho

Do UOL, em São Paulo

O filme "Azul é a Cor Mais Quente", que ganhou muita atenção desde que ganhou a Palma de Ouro em Cannes, foi banido dos cinemas do estado de Idaho, nos Estado Unidos com mais de 1,5 milhão de habitantes.

A dona de uma das salas do estado americano explicou ao site The Hollywood Reporter explicou que a lei do estado proíbe a exibição de filmes que contenham "atos ou simulação de atos sexuais, masturbação, sodomia, bestialidade, sexo oral, flagelação ou quaisque atos sexuais que são proibidos por lei" e "qualquer cena de pessoa sendo acariciada nos seios, nádegas, ânus ou genitais". "Não é porque somos hipócritas", justificou-se ela, também apontando que "Shame" (2011), de Steve McQueen, também não foi exibido no local.

Adaptação da história em quadrinhos "Le Bleu est une Couleur Chaude", a trama de Abdellatif Kechiche mostra as descobertras sexuais de uma adolescente, Adèle, que se apaixona por outra garota. O filme causou polêmica por trazer imagens explícitas de sexo lésbico, que fizeram o diretor cogitar cortar trechos em alguns países.

Polêmica
O filme foi envolvido em muitas polêmicas desde que saiu vencedor de Cannes. A atriz Léa Seydoux, uma das protagonistas, afirmou que se sentiu como uma "prostituta" em alguns momentos porque o diretor a forçou nas cenas mais pesadas de sexo.

“Claro que era uma espécie de humilhação , às vezes, eu estava me sentindo como uma prostituta . É claro que ele usa isso às vezes. Ele estava usando três câmeras, e quando você tem que fingir o orgasmo durante seis horas… Eu não posso dizer que não era nada. Mas para mim é mais difícil mostrar os meus sentimentos do que o meu corpo,” declarou Léa. A atriz Adèle Exarchopoulos também chegou a afirmar que se sentiu explorada.

O diretor se defendeu logo depois dizendo que perguntou muitas vezes às atrizes se elas queriam parar, mas que Seydoux estava determinada a ir até o fim. Ele disse ainda  ter se sentido "humilhado" e "desgraçado". "Senti uma rejeição por mim mesmo. Vivo como se estivesse sob uma maldição", disse o diretor ao jornal "The Independent". 

Para Kechiche, a polêmica impede que o espectador assista ao filme "com o coração o limpo e com um olhar atento". "Eles [o público] vão dizer, 'será que esse homem não abusou dessas garotas? Será que ele também não as tocou e elas não querem falar?'", desabafou.

$!$render-component.split('/')[$math.sub($render-component.split('/').size(), 1)]

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

UOL Cinema - Imagens
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
Cinema
redetv
redetv
redetv
redetv
Blog do Nilson Xavier
do UOL
Reuters
EFE
AFP
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
Da Redação
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Colunas - Flavio Ricco
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
EFE
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Topo