! Vilão de "Batman", Tom Hardy será Elton John na cinebiografia "Rocketman" - 23/10/2013 - UOL Entretenimento

Filmes e séries

Vilão de "Batman", Tom Hardy será Elton John na cinebiografia "Rocketman"

Gabriel Bouys / AFP Photo
Tom Hardy interpretou o vilão Bane em "Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge" Imagem: Gabriel Bouys / AFP Photo

Do UOL, em São Paulo

23/10/2013 17h33

O ator Tom Hardy, que deu vida ao vilão Bane no filme "Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge", vai interpretar o cantor Elton John na cinebiografia "Rocketman".

No anúncio, os produtores do longa elogiaram a versatilidade de Hardy e sua capacidade de "transformar-se completamente para um personagem". "Estamos confiantes de que Tom vai encarnar o físico e espírito de Sir Elton", disse Peter Schlessel, da FilmDistrict.

O filme musical que contará a trajetória de Elton John como garoto prodígio no piano até se tornar uma estrela global será dirigido por Michael Gracey, conhecido pelas séries musicais que fez na TV dos EUA. Ele já filmou "The Muppet Man", de Jim Henson.

O músico pretende regravar algumas de suas famosas canções para o filme.

"Todo mundo sabe e ama as músicas do Elton John, mas a história da vida dele é tão incrível que eu só posso descrever como sendo fantasia. Sua jornada por sonhos impossíveis rumo ao estrelado é algo que só um filme musical pode capturar. Estou animado por ser quem vai contar esta história", disse o diretor para o site "Deadline" no começo do ano.

"Rocketman" está sendo feito pela Rocket Pictures, companhia cinematográfica de Elton John, que obteve sucesso em 2011 com a animação "Gnomeu e Julieta". O filme arrecadou R$ 370 milhões nas bilheterias mundiais.

O próprio cantor produz o longa com o sócio David Furnish. A dupla trabalha com o roteirista Lee Hall, com quem já dividiram os créditos na adaptação teatral de "Billy Elliot", que Hall escreveu para o cinema.

Justin era cotado
Elton John havia revelado que desejava ver o cantor e ator Justin Timberlake no papel principal do filme. "Ele é o número um na lista de desejo", contou.

Esta não seria a primeira vez que Justin interpretaria John. Em 2002 ele participou do clipe da música "This Train Don't Stop There Anymore'. E em uma participação no programa "Saturday Night Live", nos EUA, Timberlake fez uma paródia de Sir John.

$!$render-component.split('/')[$math.sub($render-component.split('/').size(), 1)]

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
Cinema
do UOL
AFP
do UOL
Reuters
AFP
do UOL
Reuters
do UOL
Reuters
do UOL
BBC
do UOL
Chico Barney
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
UOL Entretenimento
Cinema
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Topo