! Márcio Garcia diz que seu próximo filme terá Farrell, De Niro e Costner - 09/11/2013 - UOL Entretenimento

Filmes e séries

Márcio Garcia diz que seu próximo filme terá Farrell, De Niro e Costner

Divulgação/TV Globo
O ator e cineasta Márcio Garcia Imagem: Divulgação/TV Globo

Do UOL, em São Paulo

09/11/2013 08h51

No ar como Guto na novela "Amor à Vida", Márcio Garcia dá sinais de que não deixou de lado a carreira de diretor, que já conta com duas produções internacionais no currículo --"Amor por Acaso" (2010) e "Open Road" (2013).

Em entrevista ao jornal "O Globo" deste sábado (9), o ator e cineasta afirmou que está trabalhando em uma versão em longa-metragem de seu primeiro curta, "Predileção".

"Eles me fizeram uma proposta incrível e eu estou me achando. Terei nomes como Colin Farrell, Robert de Niro e Kevin Costner no elenco. Deve ser um filme 100% americano, sem diálogos em português", disse.

O ator e cineasta também contou que tem planos para duas comédias nacionais. "São filmes populares como 'O Diário de uma Ex-Gordinha', que deve ter Tatá Werneck como protagonista, e uma comédia com o Paulo Gustavo".

A carreira de Márcio Garcia atrás das câmeras começou com o curta-metragem "Predileção", em 2009, que chamou a atenção de uma agência de talentos norte-americana. "Foi um trabalho completamente despretensioso, uma brincadeira com amigos. Queria fazer um filme de ação, com uma cena de perseguição e tiroteios, porque eu sempre gostei muito desse tipo de filme. Fiz o roteiro em 15 dias. Filmei, ficou bacana, bem embalado. E o meu amigo, o produtor Uri Singer resolveu inscrevê-lo em festivais internacionais. Ganhamos 11 prêmios", lembrou Márcio.

Logo depois, veio o convite da agência e a proposta de dirigir "Amor por Acado", com Juliana Paes, Dean Cain e Eric Roberts (irmão de Julia Roberts), que foi rodado em 20 dias, com orçamento de US$ 1 milhão.

"Celebridade"

Afastado da TV desde 2011, quando fez uma participação em "O Astro", Márcio contou que sentia falta das vantagens de trabalhar apenas como ator em uma produção. "Sentia falta de fazer novela. É muito louco. Quando você está no set dirigindo e alguém se aproxima, é sempre para resolver um problema muito sério sobre figurino, direção de arte, roteiro, luz, ou elenco. E quando chegam perto de um ator, é para perguntar se ele quer café, uma água, se está tudo certo. Aí eu penso 'cara, como é bom ser celebrity'! Eu tinha esquecido", brincou.

$!$render-component.split('/')[$math.sub($render-component.split('/').size(), 1)]

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
TV e Famosos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
Topo