Filmes e séries

"La Jaula de Oro" retrata jornada de imigrantes com atuações impecáveis

Gabriel Mestieri

Do UOL, em São Paulo

05/12/2013 19h06

A jornada de três jovens guatemaltecos que tentam chegar aos Estados Unidos pelas linhas de trem mexicanas é retratada em "La Jaula de Oro", estreia na direção do experiente operador de câmera Diego Quemada-Díez.

Para seu primeiro filme, o espanhol naturalizado mexicano opta pela simplicidade: narrativa linear, três atores não profissionais, atmosfera realista de road movie e diálogos que não se alongam mais do que o necessário.

A jornada de Juan (Brandon López), Chauk (Rodolfo Domínguez) e Sara (Karen Martínez) começa na Guatemala. A dificuldade de cruzar a fronteira para o México já indica que, quanto mais eles se locomoverem para o norte, mais difíceis ficarão as coisas.

Antes da chegada à fronteira norte-americana, entretanto, os personagens ainda sofrerão muito nas mãos de polícias de diferentes localidades, traficantes e coiotes --o caminho mais parece uma corrida de obstáculos em que qualquer deslize é fatal.

Seria fácil, porém, se todos os inimigos fossem externos. Mas é na mentalidade de Juan, o mais branco dos três protagonistas, que está um dos primeiros conflitos do filme: considerando-se o mais qualificado para chegar aos Estados Unidos graças à cor de sua pele e seu estilo de vida ocidentalizado, ele tenta impedir que Chuak, indígena que nem sequer fala castelhano, siga viagem com ele.

Cabe a Sara, a garota que se veste como menino para tentar evitar que seja estuprada, deixar bem claro que ou os três viajam juntos ou não vão a lugar nenhum.

Escolhidos entre mais de 6.000 candidatos, os três protagonistas, que nunca haviam trabalhado como atores, são impecáveis. Todas as cenas são de um realismo preciso, onde nada falta nem sobra. O conjunto das intepretações, inclusive, foi reconhecido com o prêmio de melhor elenco na mostra Um Certo Olhar, do Festival de Cannes.

Fica evidente um olhar poético e contemplativo de Quemada-Díez, que já trabalhou com cineastas como Ken Loach ("Uma Canção para Carla"), Spike Lee ("Elas Me Odeiam, Mas Me Querem"), Alejandro González Iñárritu ("21 Gramas") e Fernando Meirelles ("O Jardineiro Fiel"). Embora não chegue a fazer a opção por um filme de poucas palavras e ritmo lento, o mexicano dá tempo ao espectador para que vá digerindo aos poucos os acontecimentos.

Não há nos diálogos, por exemplo, menções explícitas à violência e à pobreza das quais os protagonistas estão dispostos a quase tudo para escapar. Os personagens tampouco questionam a própria condição ou as absurdas políticas migratória e de fronteira dos Estados Unidos. Apenas tentam sobreviver numa jornada de autoconhecimento em que chegar ao destino proposto parece não ter tanta importância quanto as descobertas e as perdas do caminho.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
TV e Famosos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
Topo