! "O Lobo Atrás da Porta", com Leandra Leal, é premiado em festival cubano - 16/12/2013 - UOL Entretenimento

Filmes e séries

"O Lobo Atrás da Porta", com Leandra Leal, é premiado em festival cubano

Do UOL, em São Paulo*

16/12/2013 12h31

"O Lobo Atrás da Porta", estreia do diretor brasileiro Fernando Coimbra, venceu o prêmio "Primeira Obra" no 35º  Festival Internacional do Novo Cinema Latino-Americano de La Habana, em Cuba.

O filme conta a história do desespero de um casal, vivido por Milhem Cortaz e Fabíula Nascimento, ao ter o filho sequestrado em um subúrbio do Rio de Janeiro. O longa também tem Leandra Leal no elenco, que venceu o prêmio de Melhor Atriz pelo filme, no Festival do Rio deste ano. 

Outros dois filmes brasileiros ganharam primeiros lugares nas categorias documentário e animação. "Helena", de Petra Costa, foi considerado o melhor documentário na competição e "O Menino e o Mundo", de Ale Abreu, venceu na categoria animação. 

O filme mexicano "Heli", um cruel retrato de Amat Escalante sobre um México corroído pelo narcotráfico, levou o principal prêmio da noite, na categoria ficção. 

O filme conta a trajetória do rapaz do título, que vê sua vida devastada depois que a irmã de apenas 12 anos se envolve com um soldado. O militar, que rouba uma carga de cocaína de policiais corruptos, faz com que a violência irrompa na vida da família de forma abrupta.

"Heli" representará o México na disputa pelo Oscar de melhor filme estrangeiro. Também valeu o prêmio de melhor diretor a Escalante no Festival de Cannes.

Ficção: 

1º Prêmio Coral: "Heli", de Amat Escalante (México)
2º Prêmio Coral: "El lugar del hijo", de Manuel Nieto (Uruguai)
3º Prêmio Coral: "Gloria", de Sebastián Lelio (Chile)
Premio especial do Júri: "Wakolda", de Lucía Puenzo (Argentina)
Menção: "Pelo Malo", de Mariana Rondón (Venezuela)

Melhor Direção: "Wakolda", de Lucía Puenzo.
Roteiro: "Bocaccerías habaneras", de Arturo Soto (Cuba)
Melhor Ator: Diego Peretti por "La reconstrucción" (Argentina)
Melhor Atriz: Vanessa Alvario por "No robarás... a menos que sea necesario" (Ecuador)
Edição: Mariana Rodríguez por "Tercera llamada" (México)
Música Original: Oscar Camacho por "El mudo" (Perú)
Trilha: Ramiro Fierro por Yvy Maraey por "Tierra sin mal" (Bolivia)
Fotografia: Arauco Hernández Holz por "El lugar del hijo" (Uruguai)
-- Dirección Artística: Pamela Chamorro por "Cirqo" (Chile)

Primeira Obra 

1º: "O Lobo Atrás da Porta", de Fernando Coimbra (Brasil)
2º: "Los insólitos peces gatos", de Claudia Sainte-Luce (México)
3º: "El verano de los peces voladores", de Marcela Said, de Chile.
Premio Especial do Júri: "La jaula de oro", Diego Quemada-Díez

Curtas de ficção

Premio Coral: "Casting", Eduardo del Llano (Cuba)
Menção: "Irene", de Alexandra Latishev (Costa Rica)

Documentários

1º: "Elena" de Petra Costa. Brasil
2º: "La Gorgona, historias fugadas", de Camilo Botero (Colombia)
3º: "Mi amiga Bety", de Diana Garay (México)
4º: "La última estación", de Cristian Soto y Catalina Vergara (Chile)
-- Coral a mejor documental no latinoamericano: "Seré asesinado", de Justin Webster (Reino Unido)
-- Mención especial: "La casona", de Juliette Touin (Cuba)

Animação

1º: "O menino e o mundo", Ale Abreu (Brasil)
2º: "Historias de cronopios y de famas", de Julio Ludueña (Argentina)
3º: "Padre", de Santiago Bou (Argentina)
4º: "Carne", de Carlos Alberto Gómez (Colombia)

*Com informações da AFP e EFE

$!$render-component.split('/')[$math.sub($render-component.split('/').size(), 1)]

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
Cinema
do UOL
AFP
do UOL
Reuters
AFP
do UOL
Reuters
do UOL
Reuters
do UOL
BBC
do UOL
Chico Barney
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
UOL Entretenimento
Cinema
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Topo