Filmes e séries

Shia Labeouf quer indenizar cartunista que o acusa de plágio, diz site

AP
Shia LaBeouf Imagem: AP

Do UOL, em São Paulo

18/12/2013 12h40

Após pedir desculpar por fazer um curta baseado na HQ de Daniel Clowes e não dar o devido crédito, Shia Labeouf quer fazer a coisa certa e estabelecer um acordo financeiro com o cartunista. As informações são do site The Wrap que entrevistou "uma pessoa próxima à situação".

A polêmica toda começou com o lançamento do primeiro curta-metragem do ator, "HowardCantour. com", que traz semelhanças gritantes com a HQ "Justin M. Damiano". Em sua página no Twitter, Labeouf se desculpou e admitiu as semelhanças.

"Na minha empolgação e ingenuidade de cineasta amador, me perdi no processo criativo e fui negligente na hora de dar os devidos créditos", disse ele, por meio de sua página oficial no Twitter. "Eu ferrei com tudo." Ele diz que não quis copiar o trabalho, mas que se inspirou na HQ.

Em nenhum lugar dos créditos de "HowardCantour. com" Labeouf menciona o trabalho de Clowes. Eric Reynolds, editor de longa data do cartunista, havia chamado o ator de "ladrão sem vergonha".

"HowardCantour. com" traz a história do crítico de cinema interpretado por Jim Gaffigan, que é bastante semelhante ao personagem que intitula a obra de Clowes. Em entrevista ao "Buzzfeed", Clowes comenta que ficou chocado ao ver como "Labeouf  se valeu descaradamente do roteiro e de diversos aspectos visuais de um trabalho pessoal que fiz seis ou sete anos atrás para vender como uma obra própria". "Não consigo imaginar o que passou pela cabeça dele", disse. Segundo a publicação norte-americana, o filme inclusive se vale de algumas falas da HQ.

Plágio até no pedido de desculpas

O curioso é que, como pontua o site "Buzzfeed", Labeouf  parece ter pedido uma ajuda ao Google e ter se valido de plágio inclusive em seu pedido de desculpas.

Em um post de quatro anos atrás no "Yahoo! Answers", uma internauta comenta que "meramente copiar não integra parte do processo criativo, apesar de ser útil para treinar e praticar. Se inspirar na ideia de outra pessoa para produzir algo novo e diferente É o processo criativo".

Em um dos tweets, o ator escreveu exatamente: "copiar não integra parte do processo criativo. Se inspirar na ideia de outra pessoa para produzir algo novo e diferente É processo criativo". E complementou: "Me sinto constrangido por ter falhado ao creditar Daniel Clowes por seu trabalho com 'Justin M. Damiano', que me serviu como inspiração".

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
Reuters
do UOL
Reuters
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
UOL Entretenimento
Cinema
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
Topo