Filmes e séries

Financiadores de "O Lobo de Wall Street" são acusados de riqueza ilícita

Do UOL, em São Paulo

06/01/2014 14h54

Advogados que representam a Red Granite Pictures, distribuidora do enteado do primeiro-ministro da Malásia, Najib Tun Razak, estão ameaçando de processo um jornalista que escreveu uma matéria sugerindo que fundos ilícitos podem estar por trás do filme.

Segundo a jornalista Clare Rewcastle Brown, os recursos da distribuidora e a riqueza pessoal de Riza Aziz foram conquistados por meio ilícitos. Ela também alega que primeira-dama da Malásia vem promovendo ativamente o filme que contém cenas de sexo e drogas apesar de a Malásia ser um país de maioria muçulmana.

Em um aviso judicial, que a jornalista enviou ao site BuzzFeed, os advogados da empresa exigem que ela retire às acusações falsas, maliciosas e difamatórias contra a RGP. A jornalista é uma das mais críticas ao governo da Malásia. Ela é proibida de entrar no país desde 2013, por suas reportagens "agressivas".

Segundo o site The Hollywood Reporter, o artigo causou grande impacto na Malásia e agota a família do primeiro-ministro está sendo pressionada a esclarecer a origens de sua riqueza.

Peta

Com isso, o filme ganha mais uma polêmica para a coleção. A produção também virou alvo da Peta (Pessoas pelo Tratamento Ético dos Animais), pelo uso de um chimpanzé em uma das cenas. O animal pode ser visto no trailer oficial do filme no colo de Leonardo DiCaprio usando uma camisa, calça e um par de patins.

Segundo a instituição que atua em defesa dos animais, o chimpanzé do filme pertence a uma família, Rosaires, famosa por viajar pelo país com seu circo, que tem como atração macacos adestrados. A família é acusada de maltratar os animais ao, por exemplo, envolver o pescoço dos bichos com uma corda para evitar que eles machuquem os espectadores.

Glamourização do crime

Mais recentemente, DiCaprio e Scorsese foram acusados de glamorizar o estilo de vida de "escapadas sexuais divertidas e farras com cocaína" vividos pelo protagonista. O longa deve estrear no Brasil no dia 24 de janeiro.

No filme, DiCaprio interpreta Jordan Belfort, um corretor da bolsa de valores americana condenado a quatro anos de prisão por um caso de fraude. A acusação partiu de Christina McDowell, cujo pai, Tom Prousalis, era um dos sócios de Belfort. Segundo ela, o filme "exacerba nossa obsessão nacional por riqueza e status" e "glorifica o comportamento psicopático". Ela ainda acusa o filme de ser misógino e degradante para as mulheres.

Em entrevista à revista "Variety", DiCaprio, que também é produtor do filme, se defendeu dizendo que a produção pode ser mal interpretada por alguns. "Espero que as pessoas entendam que não estamos tolerando esse comportamento, nós estamos acusando isso", disse ele à publicação. O livro já é um conto de advertência, e se você prestar atenção ao final do filme vai perceber o que estamos dizendo sobre essas pessoas e sobre este mundo intoxicante". 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
do UOL
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
EFE
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
AFP
Cinema
do UOL
do UOL
Cinema
BBC
do UOL
EFE
Cinema
do UOL
do UOL
AFP
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
Topo