! Terror com Sandy e Fagundes abrirá Mostra de Cinema de Tiradentes - 08/01/2014 - UOL Entretenimento

Filmes e séries

Terror com Sandy e Fagundes abrirá Mostra de Cinema de Tiradentes

Do UOL, de São Paulo

08/01/2014 11h14

O inédito “Quando Eu Era Vivo”, de Marco Dutra, que tem Antônio Fagundes e Sandy Leah no elenco, será o filme de abertura da Mostra de Cinema de Tiradentes, que acontece entre os dias 24 de janeiro e 1° de fevereiro na cidade história mineira.

A 17ª edição do evento contará com 29 exibições de longas-metragens, distribuídos em sete mostras conceituais em três espaços, todos com entrada gratuita.

O encerramento terá ainda dois filmes convidados pela curadoria: o curta-metragem “Linguagem”, de Luiz Rosemberg Filho, e o média “Já Visto, Jamais Visto”, de Andrea Tonacci.

Na seleção geral, serão exibidas produções do Rio, São Paulo, Minas Gerais, Bahia, Paraíba, Pernambuco e Paraná, de vários gêneros.

A programação completa do festival de Tiradentes será divulgada no dia 15 de janeiro, no www.mostratiradentes.com.br. As inscrições para oficinas já estão abertas e podem ser feitas também no endereço, até 10 de janeiro.

Veja os filmes que serão exibidos:

LONGAS EM ORDEM ALFABÉTICA
 
A Gente, de Aly Muritiba – PR (Mostra Transições)
A Mulher que Amou o Vento, De Ana Moravi – MG (Mostra Aurora)
A Vizinhança do Tigre, de Affonso Uchoa – MG (Mostra Aurora)
Aliança, de Gabriel Martins, João Toledo E Leonardo Amaral – MG (Mostra Aurora)
Amador, de Cristiano Burlan – SP (Mostra Sui Generis)
Amor, Plástico e Barulho, de Renata Pinheiro – PE (Mostra Transições)
Aquilo que Fazemos Com as Nossas Desgraças, de Arthur Tuoto – PR (Mostra Aurora)
Bat-Guano, de Tavinho Teixeira – PB (Mostra Aurora)
Branco Sai Preto Fica, de Adirley Queirós – DF (Mostra Aurora)
Brichos – A Floresta É Nossa, de Paulo Munhoz - PR (Mostrinha De Cinema)
Cidade de Deus 10 Anos Depois, de Cavi Borges E Luciano Vidigal – RJ (Mostra Praça)
De Menor, de Caru Alves de Souza – SP (Mostra Praça)
Depois da Chuva, de Cláudio Marques e Marília Hughes – BA (Mostra Transições)
Exilados do Vulcão, de Paula Gaitán – RJ (Mostra Autorias)
Meu Pé de Laranja Lima, de Marcos Bernstein – RJ (Mostrinha De Cinema)
O Bagre Africano de Ataléia, de Aline X e Gustavo Jardim – MG (Mostra Aurora)
O Homem Das Multidões, de Cao Guimarães E Marcelo Gomes – MG (Mostra Autorias)
O Rio nos Pertence, de Ricardo Pretti – RJ (Mostra Transições)
O Uivo da Gaita, de Bruno Safadi - RJ (Mostra Transições)
Olho Nu, de Joel Pizzini – SP (Mostra Praça)
Os Amigos, de Lina Chamie – SP (Mostra Praça)
Paixão e Virtude, de Ricardo Miranda – RJ (Mostra Sui Generis)
Passarinho Lá de Nova Iorque, De Murilo Salles – RJ (Mostra Autorias)
Quando Eu Era Vivo, de Marco Dutra – SP (Mostra Homenagem)
Rio Cigano, de Julia Zakia – SP  (Mostra Transições)
Riocorrente, de Paulo Sacramento – SP (Mostra Transições)
Tainá – A Origem, de Rosane Svartman – RJ (Mostrinha De Cinema)
Turn-Off, de Carlos Segundo – SP (Mostra Praça)
Uma Dose Violenta de Qualquer Coisa, de Gustavo Galvão – DF (Mostra Homenagem)
 
LONGAS E MÉDIAS POR MOSTRA
 
Mostra Homenagem
Quando Eu Era Vivo, De Marco Dutra – SP
Uma Dose Violenta de Qualquer Coisa, de Gustavo Galvão – DF
 
Mostra Aurora

A Mulher que Amou o Vento, de Ana Moravi – MG
A Vizinhança do Tigre, de Affonso Uchoa – MG
Aliança, de Gabriel Martins, João Toledo e Leonardo Amaral – MG
Aquilo que Fazemos com as Nossas Desgraças, de Arthur Tuoto – PR
Bat-Guano, de Tavinho Teixeira – PB
Branco Sai Preto Fica, de Adirley Queirós – DF  
O Bagre Africano de Ataléia, de Aline X e Gustavo Jardim – Mg  
 
Mostra Autorias
Exilados do Vulcão, De Paula Gaitán – RJ  
O Homem das Multidões, de Cao Guimarães e Marcelo Gomes – MG
Passarinho Lá de Nova Iorque, de Murilo Salles – Rj
 
Mostra Praça
Cidade de Deus 10 Anos Depois, de Cavi Borges E Luciano Vidigal – RJ
De Menor, de Caru Alves De Souza – SP
Olho Nu, de Joel Pizzini – SP
Os Amigos, de Lina Chamie – SP
Turn-Off, de Carlos Segundo – SP
 
Mostra Sui Generis
Amador, de Cristiano Burlan – SP
Paixão e Virtude, de Ricardo Miranda – RJ
Verona, de Marcelo Caetano – SP
 
Mostra Transições
A Gente, de Aly Muritiba – PR  
Amor, Plástico e Barulho, de Renata Pinheiro – PE  
Depois da Chuva, de Cláudio Marques e Marília Hughes – BA  
O Rio nos Pertence, de Ricardo Pretti – RJ  
O Uivo da Gaita, de Bruno Safadi - RJ
Rio Cigano, de Julia Zakia – SP  
Riocorrente, de Paulo Sacramento – SP

Mostrinha
Brichos – A Floresta É Nossa, de Paulo Munhoz - PR
Meu Pé de Laranja Lima, de Marcos Bernstein - RJ
Tainá – A Origem, de Rosane Svartman - RJ
 
Encerramento
Linguagem, de Luiz Rosemberg Filho - RJ (Curta)
Já Visto, Jamais Visto, de Andrea Tonacci – SP (Média)

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
AFP
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
TV e Famosos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
Topo