Filmes e séries

Mesmo com cenas de sexo frias, "Ninfomaníaca" atiça curiosidade do público

Thiago Stivaletti

Do UOL, em São Paulo

10/01/2014 06h00

O ano mal começou, mas “Ninfomaníaca” leva todo o jeito de ser um dos filmes mais comentados de 2014. A começar pelo título: como as pornochanchadas brasileiras dos anos 70 deixaram escapar um título desses? A história de uma mulher viciada em sexo, que estreia nesta sexta (10), atiça a curiosidade de 99% das pessoas, homens ou mulheres.

Some-se a isso a grife Lars Von Trier, o homem que torturou Bjork em “Dançando no Escuro”, filmou Nicole Kidman sendo estuprada num caminhão de maçãs em “Dogville” e filmou até uma cena de mutilação genital em “Anticristo”.

Mas “Ninfomaníaca” pode sofrer do que os filmes anteriores não sofreram: do excesso de expectativa. Foi tanto marketing, tanto teaser divulgado na internet, um pôster espertíssimo com todos os atores com cara de orgasmo – mesmo aqueles que não fazem sexo no filme – que pode se esperar uma grande obra-prima. E é aí que a coisa entorta.

As cenas de sexo são tão frias e calculadas que não chocam nem provocam nenhum tipo de impacto emocional – ficam quase no nível do pornô soft. Tão calculadas que na primeira transa de Joe, ela conta oito penetrações de seu amante (Shia LaBeouf) e a contagem (1,2,3...) aparece na tela. Numa outra cena, ela descreve um amante como tendo um andar de leopardo – e lá entra o leopardo para ilustrar o que ela está falando. Alguns críticos alegam que a intenção do diretor é justamente frustrar o espectador – mas com que sentido?

Logo no início, Joe é resgatada por um pescador (Stellan Skarsgard) que a acolhe enquanto ouve sua história. Enquanto ela conta como atraía os homens, ele compara o ato de seduzir o homem com a captura de um peixe na pesca. Tudo muito banal.

Mas, como Von Trier não é bobo, sempre há lampejos de inteligência e de esperança. Esta é apenas uma primeira parte, e com cortes – em março veremos a segunda, e depois ainda uma versão integral sem cortes que promete honrar os boatos de que se trata de um filme realmente pornográfico.

E há sempre essa relação fascinante entre sexo e culpa presente em quase todos os seus filmes – como na belíssima cena em que Uma Thurman leva os filhos para conhecer a cama na qual o pai deles está transando com a amante – e entre sexo e morte – na relação de Joe com o pai (Christian Slater) em estado terminal; sem saber como lidar com a morte, ela reage (como sempre) com um sexo doentio.

Em termos de dramaturgia, é muito menos do que “Dogville” ou “Melancolia” ofereciam. Em termos de polêmica e curiosidade, porém, “Ninfomaníaca” já é o filme do ano.

Atenção: o trailer abaixo contém cenas impróprias para menores de 18 anos

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
TV e Famosos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
Cinema
Topo