Filmes e séries

"O câncer me fez pensar na existência", diz ator Nelson Xavier em Gramado

Mariane Zendron

Do UOL, em Gramado (RS)

09/08/2014 15h53

No dia seguinte da primeira exibição pública do elogiado "A Despedida", o ator Nelson Xavier disse a uma plateia de jornalistas em Gramado (RS) que o fato de ter se apaixonado pelo roteiro de Marcelo Galvão tem a ver com uma experiência pessoal. "Me apaixonei pelo tema logo de cara. O câncer me fez pensar mais na existência", afirmou neste sábado (9). O ator foi diagnosticado com câncer de próstata em 2004, fez tratamento e hoje diz que está livre da doença. 

Também dirigido por Marcelo Galvão, o filme é uma poesia sobre a finitude da existência. Xavier vive Almirante, um homem de mais de 90 anos que percebe que sua vida está perto do fim e decide se despedir da vida e da amante, 50 anos mais nova que ele, vivida por Juliana Paes. Assim como Almirante, Nelson contou que não sente a idade que tem. "Tenho 72, mas me sinto com 27". 
 
Dani Villar/Divulgação/PressPhoto
Juliana Paes diz que chegou ao fim de "A Despedida" aos prantos Imagem: Dani Villar/Divulgação/PressPhoto
Juliana Paes "aos prantos"
Paes também diz ter aceitado o papel pela emoção que o tema lhe trouxe. Ela contou que assistiu ao longa pela primeira vez nesta sexta-feira e que chegou ao final da exibição "aos prantos". "Fiquei morrendo de vergonha. Não queria que alguém me visse chorando com um trabalho que eu mesma fiz, mas depois relaxei. Se eu choro com o trabalho dos colegas, por que não posso chorar com o meu?".
 
A personagem de Paes, Morena, é entristecida e pouco vaidosa. Segundo Galvão, foi Juliana que pediu para não usar maquiagem ou ter cabeleireiro. A atriz contou que em algumas cenas seus seios estavam estranhos por conta da amamentação de seu segundo filho, mas nada disso a preocupou. "Não quis colocar nada no lugar. Como mulher, quero estar sempre bonita, claro, mas como atriz, o que eu quero é isso, fazer o que ninguém viu". 
 
A atriz ainda elogiou o trabalho do diretor e disse que ele foi corajoso ao chamá-la para viver uma mulher triste, já que ela sempre é vista em papeis otimistas. Nelson ainda disse que, às vezes, a beleza pode esconder o que o ator tem de melhor, "mas Juliana se revelou nesse filme". 
 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
Cinema
do UOL
AFP
do UOL
Reuters
AFP
do UOL
Reuters
do UOL
Reuters
do UOL
BBC
do UOL
Chico Barney
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
UOL Entretenimento
Cinema
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Topo