Filmes e séries

Ator de "Hook" diz que Williams ensinou a não desperdiçar a juventude

Do UOL, em São Paulo

12/08/2014 12h01

Conhecido por interpretar Rufio em "Hook" - adaptação de 1991 da história de Peter Pan -, o ator Dante Basco publicou em uma rede social nesta terça-feira (12) um texto em homenagem a Robin Williams, que morreu nesta segunda

Para Basco, Robin Williams ensinou milhões de crianças que a juventude não deve ser desperdiçada, mas que também existem grandes alegrias na vida adulta. No texto, o ator ressalta que ele usou a mensagem para a sua vida mesmo não acompanhado Williams pessoalmente nos últimos anos.

O ator menciona ainda que ter trabalhado em Hoork com Williams foi uma das melhores épocas de sua vida. "Eu não posso deixar de me sentir como se fosse a morte de minha infância. Acho que não poderíamos ficar em Neverland para sempre, todos nós deveríamos crescer", escreveu.

Em "Hook", Robin Williams interpretou o papel principal como Peter Pan/Peter Banning, Dustin Hoffman como o personagem-título de Capitão Gancho, Julia Roberts como a fada Sininho, Bob Hoskins como Smith/Barrica, Maggie Smith como Avó Wendy, Caroline Goodall como Moira Banning, e Charlie Korsmo como Jack Banning.

O filme funciona como uma sequência do romance de J. M. Barrie de 1911, Peter and Wendy, com foco em um Peter Pan adulto que se esqueceu de sua infância. Agora conhecido como "Peter Banning", ele é um advogado de sucesso empresarial com uma esposa e dois filhos. Gancho seqüestra seus filhos, e Peter deve voltar a Terra do Nunca e recuperar o seu espírito jovem, a fim de desafiar o seu velho inimigo.

Leia o texto completo:

Tive a sorte de trabalhar com ele como ator e testemunhar em primeira mão a magia que fez dele uma lenda, a inteligência e outras habilidades de improvisação mundanos. Bem como vê-lo de uma só tacada colocar a moral em um set de filmagem, levando facilmente centenas de pessoas em seus ombros e manteve todos rindo enquanto trabalhavam longas horas durante meses a fio. E, ao mesmo tempo, tive a sorte de passar momentos particulares, muitas manhãs na cadeira de maquiagem, (que com o meu cabelo tri-hawk levavam horas), falando apenas de poesia ... E ele falava manso e introspectivo que iria discutir Walt Whitman e Charles Bukowski.

Com o "gancho" e tantos outros filmes, eu, como milhões de outras pessoas tornou-se um fã e foi sempre agradavelmente surpreendidos pelas performances que ele produziu, mas com a sua morte, não posso deixar de sentir, junto com a minha geração ... Eu não posso deixar de sentir como se fosse a morte de minha infância. Acho que não poderíamos ficar em Neverland para sempre, todos nós devemos crescer.

Mas eu só consigo dar um adeus triste para um dos maiores atores que eu fui capaz de trabalhar, estar ao redor e sempre vou lembrar do tempo que estive com ele como alguns dos melhores momentos da minha vida ... e assim como o resto do mundo, eu me lembrarei dele com alegria e riso.

 
 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
Chico Barney
do UOL
UOL Cinema - Imagens
UOL Entretenimento
Cinema
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Topo