Filmes e séries

Roman Polanski cancela visita a Festival de Locarno para fugir de polêmica

EFE/EPA/IAN LANGSDON
Roman Polanski ganha o prêmio de melhor diretor nos Cesars, premiação do cinema francês Imagem: EFE/EPA/IAN LANGSDON

12/08/2014 10h54

O cineasta Roman Polanski cancelou uma visita planejada para o Festival de Cinema de Locarno, onde receberia, nesta semana, homenagem pela sua obra.

Condenado por crimes sexuais nos EUA em 1977, Polanski é um fugitivo da justiça norte-americana desde então. Em 2009, foi detido na Suíça e permaneceu em prisão domiciliar até 2010, quando a justiça suíça negou o pedido de extradição.

Em carta direcionada ao festival, ele afirmou que não quer provocar controversas, por isso, decidiu não comparecer ao evento, onde também ministraria uma aula para jovens cineastas e exibiria seu mais recente filme, “A Pele de Vênus". A informação foi divulgada pela revista “Variety”.

"Caros amigos, lamento informá-los que tenho analisado até que ponto a minha aparição planejada no Festival de Locarno provoca tensões e controvérsias entre os que se opõem à minha visita, assim como eu respeito as suas opiniões, é com o coração pesado que eu devo cancelar minha visita. Estou profundamente triste em desapontá-los", disse, em carta.

Quando o diretor de “Chinatown” foi anunciado para receber a homenagem, pessoas se manifestaram contrários a decisão. Na política, o partido democrata suíço divulgou um comunicado convidando seus membros a boicotarem a cerimônia de homenagem. 

O festival suíço descreveu o cancelamento por conta dos protestos como "um retrocesso" e disse que "o público vai, assim, ser privado de uma importante oportunidade para o enriquecimento cultural". O evento acrescentou que "continua a afirmar o seu compromisso com o princípio do livre e irrestrito expressão artística"

Crime sexual
Aos 80 anos, Polanski vive na França e tem evitado os EUA durante décadas. Vencedor do Oscar de melhor diretor pelo filme “O Pianista”, em 2003, quem recebeu o troféu em seu nome foi o ator Harrison Ford. O seu caso com Samantha Geimer, na época, com apenas 13 anos, recebeu recente destaque  na reunião de cúpula das Nações Unidas, durante o Dia Mundial Contra o Tráfico de Pessoas, realizada em Beverly Hills. 

Em entrevista ao UOL, na época de lançamento de seu livro, "A Menina", Samantha afirmou que perdoou Polanksi e disse que tem empatia por ele: "Eu o entendo".

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Cinema
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
Cinema
do UOL
UOL Cinema - Imagens
Cinema
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
EFE
do UOL
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
EFE
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
Topo