Filmes e séries

Vinte anos após sex tape vazada, Rob Lowe revive episódio em comédia

Mariana Pasini

Do UOL, em Barcelona (Espanha)

20/08/2014 06h00

Rob Lowe parece não ter contas a acertar com o próprio passado. Nos anos 1980, o ator de filmes como "O Primeiro Ano do Resto das Nossas Vidas" (1985) e de séries como "Parks & Recreation" viu seu nome circular após o vazamento de um vídeo em que aparecia fazendo sexo com duas meninas, uma delas menor de idade. Mas Lowe, que ainda passou por uma reabilitação para curar o vício em cocaína, não se arrepende de nada.

Agora, o ator está de volta às telonas em "Sex Tape: Perdido na Nuvem", filme de Jake Kasdan que estreia na próxima quinta-feira (21) no Brasil. Ele dá vida à Hank, o futuro chefe de Annie (Cameron Diaz), que, por sua vez, tenta recuperar um vídeo em que ela e o marido, Jay (Jason Segel), aparecem fazendo sexo.

Gravar um filme que remete a um episódio do próprio passado, no entanto, não gerou grandes reflexões: Lowe diz acreditar que o melhor trabalho de um ator é quando vem do inconsciente. "Para mim foi só aparecer no set de filmagem e deixar a inspiração acontecer. Eu não pensei uma tonelada de coisas sobre nada mais além do que eu iria deixar acontecer no dia [da gravação]. Acho que a comédia não deve ser super-planejada", disse ele a um grupo de jornalistas na Espanha, do qual o UOL fez parte.

Lowe não nega que, caso surgisse uma nova sex tape sua, as consequências nos dias de hoje seriam bem diferentes do que foi nos anos 80. "Estamos numa época em que compartilhamos tudo, e tudo é postado no Facebook ou no Instagram. Mas estou muito mais interessado em saber como foi o sexo que você teve na noite passada do que como foi a refeição que você fez. Então, por favor, menos fotos das suas comidas, e mais do seu sexo. Mas essa é só a minha opinião pessoal", ele ri.

O ator é um verdadeiro fã das redes sociais, mais particularmente do Twitter. "A disciplina de [se limitar a] 140 caracteres para escrever é ótima. É uma oportunidade de ir diretamente a pessoas que estão interessadas em mim e mostrar quem sou eu. Se você for para o meu Twitter, você saberá tudo sobre mim".

Sobriedade

Lowe diz encarar seu próprio episódio com uma sex tape como parte intrínseca de sua história, mas não o coloca como um acontecimento mais importante do que outros. "Eu não penso sobre isso, foi um quarto de século atrás. Acho que não está nem entre os dez momentos [da minha vida], seja melhores ou piores". Para ele, ficar sóbrio é um episódio com maior importância em sua trajetória pessoal.

Amigo de festeiros notórios como Charlie Sheen, Lowe diz que o caminho para a sobriedade nem sempre foi tão difícil. O segredo, segundo ele, esteve em fazer "escolhas específicas e conscientes para sobreviver, tomar o controle do seu destino e da sua vida".

A carreira ficou em segundo lugar, mas ele acredita que as coisas interessantes profissionalmente começaram a ocorrer depois da decisão de ficar sóbrio. "Eu acho a coisa do 'playboy envelhecendo' um pouco grotesca. Simplesmente não é a minha parada. Acho que saber quando ir embora da festa é a forma de arte mais fina que há. Eu tenho um senso intrínseco de quando sair e me desviar. E ele me serviu muito bem, e tento ouvi-lo".

Segundo Lowe, foi de suas próprias memórias que ele tirou inspiração para gravar a cena em que os personagens dele e de Diaz cheiram cocaína. "Eu tenho as memórias mais nebulosas dos anos 1980. Quando fiz aquelas cenas com a Cameron, estávamos nos olhando e eu estava pensando: 'Relembre, Rob. Uma noite num hotel com uma atriz loira... Sim! Eu consigo fazer isso!'", contou ele aos risos.

Trailer original de "Sex Tape: Perdido na Nuvem"

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
Reuters
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
UOL Entretenimento
Cinema
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Topo