Filmes e séries

Filho reconhecido há três anos ajuda na divulgação da obra de Glauber Rocha

Mariane Zendron

Do UOL, em Brasília

Quem acompanhou a exibição da cópia restaurada de "Deus e o Diabo na Terra do Sol" no Festival de Brasília nesta terça (16) pôde conhecer um novo personagem do universo de Glauber Rocha: o servidor público Henrique Cavalleiro, que foi reconhecido como filho do cineasta há apenas três anos, subiu ao palco para a celebração dos 50 anos da obra-prima, completados em julho, ao lado da meia-irmã Paloma Rocha, que trabalha há mais de dez anos na preservação e restauração das obras do pai.

A notícia da paternidade de Henrique só veio a público no ano passado, e ele continua tratando o assunto com muito cuidado.

Em conversa com UOL nesta quarta, Henrique contou que, quando a notícia ganhou os jornais, ficou preocupado com a possibilidade de ser chamado de oportunista. "Não quis ficar tirando onda por ter um pai famoso... Agora eu meio que acostumei. São importantes esses momentos de preservação e divulgação da obra dele". Ele acha importante frisar que Paloma trabalha na divulgação do trabalho de Glauber há muitos anos e faz isso muito bem. 

Funcionário do Ministério do Desenvolvimento Social, em Brasilia, Henrique diz que sua vida continua a mesma desde que "ganhou" o pai, exceto pela curiosidade das pessoas e a participação em eventos cinematográficos, que o fazem sair da rotina. "Há uma responsabilidade como filho em participar da divulgação da memória dele".

Dona Lucia Rocha --mãe de Glauber, que morreu em janeiro deste ano, aos 95 anos-- ajudou o neto a entender melhor quem foi o cineasta. "Conversei muito com minha avó e ela me contou detalhes que eu não conhecia", conta.

Ele ainda vê um coincidência em sua trajetória e a do pai. "Trabalhei muitos anos na Funai (Fundação Nacional do Índio) e meu pai era muito amigo de Darcy Ribeiro [que trabalhou a questão indígenas em várias obras]".

Henrique continuará vivendo apenas como admirador do mundo do cinema, longe do glamour cinematográfico, mas diz ter muito orgulho de ser filho de Glauber. "É muito interessante ver que um filme que ele fez com apenas 24 anos ainda causa esse impacto 50 anos depois. Obra boa não tem idade", disse ele sobre "Deus e o Diabo na Terra do Sol".

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
EFE
EFE
do UOL
do UOL
Cinema
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
EFE
EFE
Colunas - Flavio Ricco
Blog do Barcinski
Roberto Sadovski
redetv
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Jogos
Reuters
do UOL
EFE
do UOL
do UOL
AFP
Reuters
do UOL
Reuters
do UOL
Da Redação
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
do UOL
Roberto Sadovski
Blog do Matias
do UOL
AFP
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Roberto Sadovski
Topo