Cinema

"A História da Eternidade" vence o grande prêmio do 21º Festival de Vitória

Divulgação
Irandhir Santos em cena de "A História da Eternidade", de Camilo Cavalcante imagem: Divulgação

Do UOL, em São Paulo

O filme “A História da Eternidade”, do pernambucano Camilo Cavalcante, foi o grande vencedor do 21º Festival de Cinema de Vitória, que aconteceu na capital do Espírito Santo entre os dias 12 e 17 de setembro.

O longa conta a história de três mulheres no sertão pernambucano e de como seus amores e desejos revolucionam a vida dos moradores de um pequeno vilarejo. A ficção levou os prêmios de melhor filme, direção e interpretação, este último pela atuação do ator Irandhir Santos.

Selecionado no festival de Cinema de Roterdã, “A História da Eternidade” já havia vencido o grande prêmio no Festival de Cinema de Paulínia, em julho. Na ocasião, Irandhir Santos foi aplaudido em cena aberta e também eleito o melhor ator da edição.

No Festival de Vitória, também foram premiados os longas “Branco Sai. Preto Fica”, de Adirley Queiróz (DF), “Batguano”, de Tavinho Teixeira (PB) e “Entreturnos”, de Edson Ferreira (ES). “O Clube”, de Allan Ribeiro (RJ), venceu o grande prêmio entre os curtas.

Antes da entrega dos prêmios, o público assistiu ao longa “Macunaíma”, de Joaquim Pedro de Andrade, que fez parte da homenagem que o festival prestou este ano ao ator Paulo José.

Veja lista completa dos premiados:

Longa-metragem

Melhor Filme: “A História da Eternidade”, de Camilo Cavalcante (PE).

Melhor Direção: Camilo Cavalcante, por “A História da Eternidade” (PE).

Melhor Interpretação: Irandhir Santos, por “A História da Eternidade”, de Camilo Cavalcante (PE).

Melhor Roteiro: Adirley Queirós, por “Branco Sai. Preto Fica”, de Adirley Queiróz (DF).

Contribuição Artística (Desenho de som): “Branco Sai, Preto Fica”, de Adrley Queiróz (DF).

Prêmio Especial do Júri: “Batguano”, de Tavinho Teixeira (PB).

Júri Popular: “Entreturnos”, de Edson Ferreira (ES).

Curta-metragem

Melhor Filme: “O Clube”, de Allan Ribeiro (RJ).

Melhor Atriz: Karine Teles, por “Quinze”, de Maurílio Martins (MG).

Melhor ator: o elenco de “O Clube”, de Allan Ribeiro (RJ).

Direção de Arte: Juliano Dornelles, por “Loja de Répteis”, de Pedro Severien (PE).

Montagem: Gabriel Martins, por “Mundo Incrível Remix”, de Gabriel Martins (MG).

Concepção Sonora: Thiago Camargo, por “Viagem na Chuva”, de Wesley Rodrigues (GO).

Roteiro: Maurílio Martins, por “Quinze”, de Maurílio Martins (MG).

Fotografia: Juliane Peixoto e Filipe Acácio, por “O Completo Estranho”, Leonardo Moramateus (CE).

Melhor Direção: Gustavo Vinagre, por “La Llamada” (SP).

Prêmio Especial do Júri: “A Cor do Fogo e a Cor da Cinza”, de André Félix (ES).

Júri Popular: “No Devagar Depressa do Tempo”, de Eliza Capai (ES-SP). 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 
Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Topo