Filmes e séries

"A História da Eternidade" vence o grande prêmio do 21º Festival de Vitória

Divulgação
Irandhir Santos em cena de "A História da Eternidade", de Camilo Cavalcante Imagem: Divulgação

Do UOL, em São Paulo

18/09/2014 09h18

O filme “A História da Eternidade”, do pernambucano Camilo Cavalcante, foi o grande vencedor do 21º Festival de Cinema de Vitória, que aconteceu na capital do Espírito Santo entre os dias 12 e 17 de setembro.

O longa conta a história de três mulheres no sertão pernambucano e de como seus amores e desejos revolucionam a vida dos moradores de um pequeno vilarejo. A ficção levou os prêmios de melhor filme, direção e interpretação, este último pela atuação do ator Irandhir Santos.

Selecionado no festival de Cinema de Roterdã, “A História da Eternidade” já havia vencido o grande prêmio no Festival de Cinema de Paulínia, em julho. Na ocasião, Irandhir Santos foi aplaudido em cena aberta e também eleito o melhor ator da edição.

No Festival de Vitória, também foram premiados os longas “Branco Sai. Preto Fica”, de Adirley Queiróz (DF), “Batguano”, de Tavinho Teixeira (PB) e “Entreturnos”, de Edson Ferreira (ES). “O Clube”, de Allan Ribeiro (RJ), venceu o grande prêmio entre os curtas.

Antes da entrega dos prêmios, o público assistiu ao longa “Macunaíma”, de Joaquim Pedro de Andrade, que fez parte da homenagem que o festival prestou este ano ao ator Paulo José.

Veja lista completa dos premiados:

Longa-metragem

Melhor Filme: “A História da Eternidade”, de Camilo Cavalcante (PE).

Melhor Direção: Camilo Cavalcante, por “A História da Eternidade” (PE).

Melhor Interpretação: Irandhir Santos, por “A História da Eternidade”, de Camilo Cavalcante (PE).

Melhor Roteiro: Adirley Queirós, por “Branco Sai. Preto Fica”, de Adirley Queiróz (DF).

Contribuição Artística (Desenho de som): “Branco Sai, Preto Fica”, de Adrley Queiróz (DF).

Prêmio Especial do Júri: “Batguano”, de Tavinho Teixeira (PB).

Júri Popular: “Entreturnos”, de Edson Ferreira (ES).

Curta-metragem

Melhor Filme: “O Clube”, de Allan Ribeiro (RJ).

Melhor Atriz: Karine Teles, por “Quinze”, de Maurílio Martins (MG).

Melhor ator: o elenco de “O Clube”, de Allan Ribeiro (RJ).

Direção de Arte: Juliano Dornelles, por “Loja de Répteis”, de Pedro Severien (PE).

Montagem: Gabriel Martins, por “Mundo Incrível Remix”, de Gabriel Martins (MG).

Concepção Sonora: Thiago Camargo, por “Viagem na Chuva”, de Wesley Rodrigues (GO).

Roteiro: Maurílio Martins, por “Quinze”, de Maurílio Martins (MG).

Fotografia: Juliane Peixoto e Filipe Acácio, por “O Completo Estranho”, Leonardo Moramateus (CE).

Melhor Direção: Gustavo Vinagre, por “La Llamada” (SP).

Prêmio Especial do Júri: “A Cor do Fogo e a Cor da Cinza”, de André Félix (ES).

Júri Popular: “No Devagar Depressa do Tempo”, de Eliza Capai (ES-SP). 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
Reuters
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
UOL Entretenimento
Cinema
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Topo