Filmes e séries

Premiada em Brasília, Maeve Jinkings viveu crise antes do sucesso no cinema

Mariane Zendron

Do UOL, em São Paulo

26/09/2014 09h56

Saindo de um casamento e recém-formada na faculdade de artes dramáticas da USP, a atriz Maeve Jinkings passava por uma crise em 2010. Nascida em Brasília e criada em Belém (PA), ela começou a se sentir sufocada na capital paulista, onde morava havia dez anos. Naquele ano, foi convidada pelo padrasto pernambucano a passar o Natal em Recife para descansar um pouco e repensar a vida. A ideia era ficar apenas 15 dias, mas Maeve adiou sua volta cinco vezes. "O clima e a vegetação de Recife me lembravam Belém. A movimentação cultural me lembrava São Paulo. Lembro de ter sentido que havia encontrado o meio do caminho", contou ela ao UOL durante o Festival de Brasília do Cinema Brasileiro.

Um mês e meio depois, ela voltou para São Paulo, mas para empacotar as coisas e se mudar de vez para Recife, onde, após mais alguns meses, foi selecionada para entrar no elenco de "O Som ao Redor" (2012), longa de Kleber Mendonça Filho responsável por uma reviravolta em sua carreira. Desde então, ela já trabalhou em outros dez filmes. "Às vezes, adoeço como qualquer pessoa que trabalha demais, mas me apaixonei por todos esses trabalhos."

Divulgação
Maeve Jinkings em cena do filme "Amor, Plástico e Barulho" Imagem: Divulgação

Desses dez projetos, nove são pernambucanos, o que mostra que identificação de Maeve com Recife é recíproca. "Um amigo uma vez me disse que os pernambucanos são meio desconfiados com quem vem de fora, mas rolou uma simbiose comigo. Até pessoas de lá acham que eu sou pernambucana."

Antes daquelas férias reveladoras em Recife, Maeve já havia participado de um longa, "Falsa Loura", de Carlos Reichenbach, a quem se refere como seu pai no cinema. No entanto, sua formação é teatral, e foi com "Som ao Redor" que as portas do cinema se abriram de vez. "'O Som ao Redor' é extremamente importante como obra, mas Kléber é um aglutinador de pessoas, e o filme me proporcionou muitos encontros."

Um de seus últimos encontros foi com diretor Cláudio Assis no filme "Big Jato", no qual trabalhou como preparadora de elenco. O longa é inspirado no romance homônimo e autobiográfico de Xico Sá, que deve chegar aos cinemas em 2015. O convite veio depois que Maeve preparou o jovem elenco do curta "Sem Coração", de Nara Normande e Tião. Ela nunca havia trabalhado como preparadora, mas topou o desafio pela afinidade com os diretores do projeto.

No entanto, o que ela gosta mesmo é de se reinventar como atriz. Para isso, diz usar o método de atriz/autora, que aprendeu quando estudava na escola de teatro de Antunes Filho. "O ator não é só um intérprete. O ator tem que trazer sua visão, sua marca. Você usa o texto como ponto de partida, como plano de voo. Acho que tem a ver com implodir essas palavras que estão no roteiro."

Essas "implosões" garantiram a Maeve neste ano o prêmio de melhor atriz em curta-metragem do Festival de Brasília, com "Estátua!", de Gabriela Amaral. Com atuação elogiada pelos críticos, ela vive no filme uma babá que começa a ficar aterrorizada com a maternidade ao cuidar de uma menina de 8 anos. Outro curta exibido e premiado em Brasília, "Loja de Répteis", também traz Maeve no elenco e pode ser visto no Festival do Rio, a partir do dia 30 deste mês (veja aqui a programação).

Questionada se gostaria de se aventurar na TV ou em projetos mais comerciais --como fizeram os colegas Irandhir Santos ("Meu Pedacinho de Chão") e Jesuíta Brabosa ("O Rebu"), que hoje estão em projetos da Globo após se destacar no cinema autoral--,  a atriz conta que já recebeu convites, mas que ainda não se identificou com nada que lhe foi proposto. "Não tenho nada contra a TV, mas, de fato, os projetos que aparecem no cinema têm me seduzido, me abduzido, de uma forma mais forte. Mas não significa que não possa fazer TV num futuro próximo. Eu não fecho as portas. Seria muito preconceituoso dizer que não quero falar nesse ou naquele lugar."

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
TV e Famosos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Topo