Filmes e séries

Mostra de São Paulo traz obras-primas e tesouros escondidos de Almódovar

Chico Fireman

Do UOL, em São Paulo

15/10/2014 06h30

Pedro Almodóvar tira sarro há quarenta anos. Seus filmes se tornaram simbólicos porque sua anarquia colorida, ao mesmo tempo que celebra a intensidade do espírito latino e guarda um discurso político que já não precisa mais ser verbalizado, é naturalmente sarcástica. Por isso, parece ironia que justamente quando é o principal homenageado de uma edição da quase quarentona Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, o cineasta espanhol mais influente dos últimos trinta anos não possa vir à festa.

Almodóvar passou recentemente por uma cirurgia nas costas e está impedido de fazer longas viagens de avião. “O convite ainda está lá, quem sabe ele não aparece?”, brinca a diretora da Mostra, Renata de Almeida. Mesmo assim, o diretor assinou o cartaz do evento, que tem a tradição de convidar cineastas para a função, e vai ter 15 dos 20 longa-metragens que dirigiu exibidos na Mostra. Apenas “Matador”, e os mais recentes “Má Educação”, “Volver” e “Abraços Partidos” não serão apresentados nas duas semanas do festival, que começa nesta quarta-feira (15). 

A homenagem ao espanhol segue a linha que a Mostra adotou nos últimos anos: escolher diretores mais conhecidos para ganhar retrospectivas dentro do evento, como aconteceu com Stanley Kubrick no ano passado. E Almodóvar é um dos diretores estrangeiros mais adorados no Brasil, desde que seus filmes começaram a ganhar prestígio internacional. Nestes quarenta anos, é possível perceber a evolução de sua maneira de filmar, que ficou mais elegante e segura e menos desbocada, mas sem perder a ousadia, as temáticas e as características cromáticas de seu cinema.

O deboche e os parceiros de longa data Carmen Maura e Antonio Banderas --estrelas de seus primeiros trabalhos, como “Pepi, Luci e Bom e Outras Garotas de Montão” e “Labirinto do Paixões”-- continuaram nos filmes feitos numa segunda etapa, em que seu nome já era conhecido mundo afora. Filmes como “Mulheres à Beira de um Ataque de Nervos” e “Ata-me!” ilustram essa época. Com “A Flor do Meu Segredo”, com outra companheira das antigas, Marisa Paredes, inicia o que muita gente chama de sua fase mais madura, que se cristaliza com “Tudo Sobre Minha Mãe” e “Fale com Ela”.

Nos últimos anos, entre altos e baixos, mantém sua popularidade e seu prestígio,  e encontra seu ápice em “A Pele que Habito”, em que retoma a parceria com Banderas. Há pelo menos duas décadas, seu nome é quase uma unanimidade no circuito de filmes de arte do Brasil. “Vamos ver o novo Almodóvar” possivelmente só encontra par com “vamos ver o novo Woody Allen”. Embora tenha engolido alguns sapos nos últimos tempos, o espectador sabe bem o que vai encontrar num filme do espanhol: latinidade, sarcasmo, uma paleta de cores bem marcada e uma tentativa quase sempre válida de dar voz ao underground.

Selecionamos a seguir três obras-primas para rever e outros três tesouros escondidos para conhecer na Mostra.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
Cinema
do UOL
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
do UOL
Da Redação
EFE
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
EFE
do UOL
EFE
do UOL
TV e Famosos
do UOL
do UOL
do UOL
ANSA
do UOL
Comportamento
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
Topo