Filmes e séries

Filme violento com gangue de surdos choca, mas também causa reflexão

Divulgação
Personagens falam na linguagem dos sinais em cena do filme "A Gangue", de Myroslav Slaboshpytskiy Imagem: Divulgação

Mariane Zendron

Do UOL, em São Paulo

23/10/2014 15h21

Mesmo em um dia e um horário pouco atraentes para a maioria do público, às 14h desta quarta-feira (22), mais de 160 pessoas lotaram a segunda sessão do ucraniano "A Gangue", de Myroslav Slaboshpytskiy, realizada no Shopping Frei Caneca durante a Mostra de São Paulo. Do lado de fora, era possível ver alguns rostos chateados com o esgotamento dos ingressos.

O longa de estreia do diretor ucraniano tem alguns atrativos que justificam sua fama. Além de ter levado o Grande Prêmio da Semana da Crítica em Cannes neste ano, ele foi rodado com atores surdos, é todo falado em linguagem de sinais e não conta com legendas ou narração. O protagonista, Sergey, é um jovem surdo que começa a morar em um colégio internato especializado. Para sobreviver, o novato se junta a uma gangue da escola que, na verdade, comanda uma rede de crime e prostituição.

A coragem e a força do adolescente surpreendem os integrantes da gangue, e ele é rapidamente aceito. Tudo vai "bem" até que o jovem se apaixona por uma das meninas do grupo, o que começa a ameaçar sua organização.

Rodado em planos-sequência, o filme utiliza características do universo dos deficientes auditivos para criar cenas muito violentas. Por exemplo: se alguém é privado de sua audição, nunca vai acordar caso a pessoa que dorme a seu lado seja estuprada ou leve pancadas na cabeça.

Por telefone, o diretor contou ao UOL que a linguagem de sinais e o cinema mudo sempre o fascinaram. Por isso teve a ideia de unir esses dois mundo num filme que pode ser entendido em qualquer parte do mundo. "É um filme com surdos, mas é para todos assistirem", diz Myroslav. Segundo ele, também são universais os problemas enfrentados na adolescência. "Não importa se você é surdo ou não." 

O diretor ainda disse não achar que o filme seja mais violento do que outras produções, algumas até bem populares. "Não acho que o filme seja mais violento que desenhos da Disney, por exemplo. A diferença é que a violência não aparece [em 'A Gangue'] de maneira divertida, como um carnaval. Ela aparece de uma maneira feia, mais próxima da realidade." 

Na sessão de quarta, as cenas de violência e sexo explícito mais impressionantes do filme causaram contorções nas cadeiras, além de fazer alguns espectadores levarem as mãos ao rosto ou exclamarem "nossa!". Terminada a sessão, no entanto, as experiências que os "mostreiros" tiveram com filmes de outras edições do evento parecem ter amenizado o impacto do longa. "Esperava que fosse mais violento", disse o produtor de cinema Guilherme Ferrara. Segundo ele, "Miss Violence", exibido na Mostra de 2013, chocou bem mais por mostrar violência contra a mulher.

Já o promotor de Justiça Mauricio Ribeiro afirmou que "Irreversível", exibido na Mostra em 2001, é bem mais chocante. "Também acho que o silêncio e a ausência do grito dos personagens diminuem o impacto", avalia. Mulher de Ribeiro, a defensora pública Flávia D'Urso, por sua vez, não concorda. Para ela, que se impressionou com a proposta do diretor, o silêncio não diminui a violência. "Impressionante como não é necessária uma única palavra para entender a história", diz.

Do lado de fora da sala de cinema, o aposentado Sérgio Nunes e o bancário Aldo Botelho também concordavam que "A Gangue" lembra "Irreversível" e "Miss Violence". Para Nunes, uma cena na qual é mostrado um aborto é a mais chocante em "A Gangue" . "Mais pela frieza de como é conduzido" do que pelo realismo. Apesar do que era esperado, o filme causou mais reflexões nos espectadores do que repulsa ou choque pelas cenas fortes.

Há ainda três chances de ver o filme, um dos mais comentados da Mostra. Veja a programação: 

"A Gangue" na 38ª Mostra de São Paulo 

Dia 26/10 - 21:45 - Cine Livraria Cultura 1

Dia 27/10 - 21:30 - Cinesala Sabesp

Dia 28/10 - 21:30 - Cinesesc

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Cinema
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
Cinema
do UOL
UOL Cinema - Imagens
Cinema
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
EFE
do UOL
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
EFE
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
Topo