Filmes e séries

Diretor de "Irmã Dulce" diz que ela fazia há 50 anos o que papa faz hoje

Mariane Zendron

Do UOL, em São Paulo

27/11/2014 15h26

Uma mulher de 1,50 m de altura e pouco mais de 40 kg quase ofuscou a visita do papa João Paulo 2º a Salvador, em julho de 1980. Ao ser chamada ao palco para cumprimentar o pontífice, Irmão Dulce foi ovacionada pela multidão como se fosse um ícone  pop. Conhecida como o Anjo Bom da Bahia, a beata chega aos cinemas de todo o país nesta quinta (28) com sua cinebiografia, "Irmã Dulce" --no Nordeste, o filme estreou no último dia 13.

A adoração de muitos brasileiros pela freira franzina e tocadora de acordeon, interpretada na fase adulta por Bianca Comparato e Regina Braga, é consequência de seu trabalho social, que começou na década de 1930, quando Maria Rita de Sousa Brito Lopes Pontes, seu nome de batismo, decidiu seguir a vida religiosa para se dedicar aos pobres e doentes.

É o encontro da menina com a pobreza aguda do Nordeste na década de 1930 que serviu de ponto de partida para o diretor Vicente Amorim ("Caminho das Nuvens"), que diz nunca ter se deparado com uma figura como a da freira. "Ainda pequena, ela foi apresentada à miséria, mas um tipo de miséria que não existe mais no Brasil atualmente, que talvez só possa ser vista hoje em países como o Haiti", disse Amorim em encontro com a imprensa, em um hotel de São Paulo.

No final da década de 1930, Irmã Dulce desobedeceu a ordem de ficar enclausurada no convento onde vivia para passar as madrugadas recolhendo doentes pelas ruas de Salvador. Ela chegou a invadir cinco casas abandonadas na ilha do Rato, que faz parte da cidade, para abrigar os enfermos. Expulsa de todas, ela passou uma década peregrinando até transformar o galinheiro do convento em uma enfermaria. O espaço é hoje o Hospital Santo Antônio, uma das maiores instituições públicas de saúde do país.

Repreendida pela Igreja

O filme mostra Irmã Dulce sendo repreendida pela sua ousadia e até mesmo ameaçada de não poder mais servir à Igreja. Na década de 1940, era inconcebível a ideia de uma mulher, ainda mais sendo freira, passar as noites pelas ruas. 

Amorim, no entanto, garante que não houve qualquer interferência da Igreja Católica no filme. "Eu fiz o filme que eu quis. E olha que a Igreja não está especialmente boazinha no filme." Para o diretor, há "ventos novos" trazidos pelo papa Francisco. "O que a Irmã Dulce fazia há 50 anos, o papa prega hoje. Esse realinhamento, abertura e tolerância, ela já vivia naquela época."

Acima da religião

Apesar de ter contado com a ajuda de freis para retratar ritos e costumes da Igreja, Vicente Amorim diz que o que o atraiu ao projeto é que a beata foi, acima de tudo, uma mulher extraordinária. "Claro que ela era freira, claro que era católica, mas não saberia fazer um filme de proselitismo religioso. Se tivesse tentado, o filme não serviria para isso e não tocaria as pessoas."

O diretor diz que ficou surpreso ao descobrir que a freira era muito esperta e bem humorada e que até "dava uns dribles" nos políticos para conseguir o que queria. "Você se sente próximo dela e não de uma santa em um alta."

Canonização

Em 2011, Irmã Dulce foi beatificada pelo papa Bento 16 após um milagre em seu nome ter sido aceito pela Igreja Católica. A graça validada ocorreu em 10 de janeiro de 2001, em uma cidade do interior do Nordeste, em que uma mulher, que sofria com um sangramento incontrolável pós-parto, curou-se de maneira inexplicável para os médicos. 

Além de reconhecer o milagre, a beatificação faz com que Irmã Dulce fosse reconhecida como uma figura heroica. Em breve, ela também pode ser canonizada e ganhar o status de santa, mas, para isso, precisa ter mais um milagre confirmado.

O filme pode dar um empurrão no processo, já que o papa Francisco assistiu ao longa na última semana, na Cinemateca do Vaticano, ao lado de 53 convidados. O DVD com o filme foi entregue para o pontífice pelas mãos do arcebispo de Aparecida e presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), dom Raymundo Damasceno. 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Cinema
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
Cinema
do UOL
UOL Cinema - Imagens
Cinema
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
EFE
do UOL
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
EFE
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
Topo