Filmes e séries

Travesti na TV e drag no cinema, Sant'anna diz que "comédia traz reflexão"

Tiago Dias

Do UOL, em São Paulo

Uma travesti do subúrbio do Rio de Janeiro praticamente renovou o público e as piadas do humorístico “Zorra Total”, da TV Globo. Por trás da personagem, o ator Rodrigo Sant’anna agora se aventura no cinema. Em seu primeiro papel de protagonista na tela grande, ele volta a usar peruca e carregar na maquiagem para viver a drag queen Gorete Chevalier em “O Casamento de Gorete”, comédia que estreia nesta quinta-feira (27) nos cinemas.

De origem e personalidade completamente distintas da personagem do cinema, a Valéria da TV acabou chamando a atenção do diretor do filme, Paulo Vespúcio, quando ele buscava um ator para viver a apresentadora de rádio, expulsa de casa por ser homossexual. “Estou falando de um universo que eu já brincava na TV. Elas são primas-irmãs”, conta Sant’anna, ao UOL.

Tanto Valéria quanto Gorete são tipos excluídos na vida real, mas cedem, cada uma a sua maneira, toda a diversidade, arte e humor (além dos perrengues) para a ficção. Para Sant’anna, o universo gay ainda é tabu para plateias conservadoras, mas o riso ainda é o melhor caminho para tocar em assuntos polêmicos.

Divulgação
O ator e comediante Rodrigo Sant'anna como a travesti Valéria, do programa "Zorra Total" Imagem: Divulgação

“O bobo da corte, lá atrás na história, era o único homem na monarquia que podia satirizar situações. A comédia, de alguma maneira, leva [questões polemicas] para o espectador de maneira leve, por mais preconceituoso que ele seja”, opina. “A comédia satiriza e de alguma maneira faz refletir sobre temas que, se fossem tratados de maneira séria, seria um pouco maçante, panfletário”.

Rejeitada, Gorete decide abandonar a família e o colega por quem estava apaixonada. Anos depois, após a morte do pai, ela descobre que precisará se casar para conseguir receber a herança. Ela ainda conta com a ajuda dos amigos gays Domitila (Tadeu Melo) e Marivalda (Ataíde Arcoverde). Letícia Spiller também faz uma ponta no papel de outra drag queen.

As piadas, assim como na TV, estão todas lá, e o ator diz não se preocupar com o tom de cada gracejo. “Eu procuro ser sincero, verdadeiro no que o cotidiano está dizendo. E se aquilo vai afetar alguém, eu procuro retratar uma verdade. Minha preocupação é sempre essa, e não se vou esbarrar em um pré-conceito ou situação”.

Para ele, o trabalho no cinema abriu espaço para a veia dramática e um mergulho mais profundo no personagem – algo pouco explorado na televisão,  principalmente em personagens do universo LGBT. “Sem dúvida, as pessoas vão identificar coisas da Valéria na Gorete, mas o cinema me deu a possibilidade de tocar em lugares mais sutis, em outras emoções”, conta.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Reuters
do UOL
Da Redação
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
do UOL
Roberto Sadovski
Blog do Matias
do UOL
AFP
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Roberto Sadovski
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
EFE
Colunas - Flavio Ricco
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
Cinema
Blog do Nilson Xavier
do UOL
Reuters
EFE
AFP
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
Da Redação
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Colunas - Flavio Ricco
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Topo