Filmes e séries

"Divertida Mente" é filme corajoso sobre tristeza, diz presidente da Pixar

Natalia Engler

Do UOL, em São Paulo

09/12/2014 06h15

Depois de passar dois anos sem lançar um longa de animação –fato inédito desde 2006--, a Pixar retornará aos cinemas em 2 de julho de 2015 com “Divertida Mente”, uma animação protagonizada pelas emoções da garotinha Riley –Alegria, Tristeza, Medo, Raiva e Nojinho--, que comandam os comportamentos, reações e memórias a partir de um centro de comando na mente.

“Acho que é muito corajoso fazer um filme em que é a Tristeza quem salva o dia”, afirmou Jim Morris, presidente da Pixar, durante visita ao Brasil.

Na trama, apesar de Riley ser uma garota alegre, a pré-adolescência e uma mudança de cidade bagunçam as coisas na mente da menina, levando a um desentendimento que coloca a Alegria e a Tristeza para fora do centro de comando e em uma jornada pelas diversas regiões da mente. Em duas cenas inéditas assistidas pelo UOL já fica evidente que a animação bebe em fontes espinhosas –como a psicanálise e a neurociência-- e toca em temas delicados, como a depressão, sem deixar de lado a riqueza visual e o humor que caracterizam as produções da Pixar.

“A Alegria sempre tenta arrumar as coisas, mas é a Tristeza quem colabora para que tudo funcione. E é uma ideia complexa, estávamos muito preocupados. Mas fizemos uma exibição com algumas crianças e elas todas entenderam tudo. Acho que há muito pouco que as crianças não entendem. Elas solucionam as coisas, são muito espertas e às vezes entendem até melhor do que os adultos”, acredita.

Se as crianças entenderam bem a ideia do filme, talvez seja porque ele foi inspirado em uma delas: a filha do diretor Pete Docter.

“Pete Docter observou sua filha crescer, e ela era essa criança feliz. Mas, de repente, entrou na pré-adolescência e começou a ficar pelos cantos, amuada. Ele se perguntava: 'o que aconteceu com a minha garota?’”, conta Morris, descrevendo um comportamento muito parecido com o de Riley nas cenas do filme.

“As coisas que acontecem no filme são muito genuínas. Mas o que levou Pete a essa ideia, depois de pesquisar, é que, mesmo que queiramos que as pessoas sejam felizes e alegres, elas têm que ficar tristes às vezes. E ele percebeu que tinha que deixar sua filha passar um pouco por aquilo para ajudar no processo de crescimento e em seu equilíbrio. Ela não tinha que ser sempre feliz e animada. Há algo curativo em chorar e passar por um período de tristeza para chegar ao próximo estágio”, acredita Morris.

Teaser dublado de "Divertida Mente"

“Toy Story 4”

Depois de “Divertida Mente”, a Pixar ainda tem muito trabalho pela frente, lançando dois filmes por ano até pelo menos 2018. “Também temos muita coisa em desenvolvimento sobre as quais ainda é muito cedo para falar. Na verdade, acho que é o melhor horizonte que já tivemos, no sentido de que temos projetos muito para o futuro já com diretores trabalhando neles, mais do que tivemos no passado”, adianta Morris.

Se alguns projetos ainda estão muito crus para serem revelados, outros já estão dando o que falar, como é o caso do quarto filme de “Toy Story”, anunciado há um mês --uma das poucas franquias nas quais o estúdio investiu, porque a maneira em que a Pixar escolhe seus filmes, segundo Morris, “tem a ver com o que é a paixão do diretor”.

Divulgação
Cena da animação "Toy Story 3" Imagem: Divulgação

“'Toy Story 4' é um bom exemplo. Nós tínhamos decidido que não faríamos mais filmes porque achamos que os três primeiros foram muito bons e funcionavam bem como uma trilogia”, explica. “John [Lasseter, chefe criativo das animações da Pixar e da Disney e diretor do primeiro ‘Toy Story’], Ed [Catmull, fundador da Pixar e presidente das divisões de animação da Disney] e Pete [Docter, roteirista do primeiro filme] decidiram que não faríamos mais a não ser que alguém tivesse uma ideia que fosse irresistível. E tiveram!”, conta, animado.

“Andrew Stanton [roteirista dos três ‘Toy Story’] teve uma ideia e a trabalhou com John. E John, que agora supervisiona todas as companhias, gostou tanto que quis dirigir e está muito animado. Tentamos impedi-lo, para falar a verdade, porque precisávamos dele fazendo muitas outras coisas. John é uma pessoa única na história do cinema, porque é um ótimo diretor e fez ótimos filmes, mas também preparou um grande grupo de diretores na Pixar e na Disney. E gostamos que ele faça isso. Mas ele no fundo é um artista e, quando se apaixona por um projeto, você tem que sair do caminho”, explica Morris sobre o retorno de Lasseter à direção.

Sem querer dar muitos detalhes sobre a trama, o presidente da Pixar revela que o novo filme será um romance e trará de volta Woody, Buzz e companhia, mas também vai introduzir novos personagens e cenários.

“Apesar de ser tecnicamente uma franquia e parte do mundo de 'Toy Story', não é parte daquelas três histórias originais. É um novo capítulo naquele mundo. É uma história de amor entre dois personagens, e é muito charmosa e diferente. Temos ótimos roteiristas trabalhando com a nossa equipe, Rashida Jones e Will McCormack [de “Celeste e Jesse para Sempre”], e eles estão trazendo um toque muito contemporâneo para o filme. São jovens roteiristas e trazem uma cara diferente, que é muito inovadora e revigorante”, revela.

“Os Incríveis 2”

Além de “Toy Story”, a Pixar também vai trazer de volta seu time de super-heróis para competir com a onda de filmes do gênero que tomará os cinemas nos próximos anos.

Reprodução
Personagens do filme "Os Incríveis", que voltarão em sequência ainda sem data de estreia Imagem: Reprodução

“Nosso filme de super-heróis é 'Os Incríveis 2', mas, olhando com cuidado para quando Brad Bird fez o primeiro longa, era na verdade sobre uma família crescendo e passando por coisas, e a ideia de que são super-heróis no começo, mas são colocados de lado e tentam levar vidas normais. Acho que é isso que é muito diferente da maioria dos filmes de heróis. É muito humano e coloca esses personagens nas mesmas situações que todos nós vivemos todos os dias, deixa com os pés no chão e diz algo sobre nós mesmos e como lidamos com nossas famílias, como vivemos e crescemos”, acredita Morris.

Ele explica que o novo filme ainda não tem data de estreia, mas certamente será lançado ainda em meio à avalanche de heróis que chegarão ao cinema até 2020.

“Sempre acho que, se você faz um bom filme, vai achar seu público”, diz Morris sobre a concorrência. “Então, vamos seguir em frente. Somos muito amigos da Marvel, Kevin Feige é um grande amigo meu, eles fazem ótimos filmes, e há muitos filmes de super-heróis por vir. Mas o nosso é diferente. Com sorte, teremos espaço para todos nós”, conclui.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
Chico Barney
do UOL
UOL Cinema - Imagens
UOL Entretenimento
Cinema
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Topo