Cinema

Brasileiro fotografa lado amargo e sem glamour de Hollywood

Montagem/Emerson
Personagens anônimos de Hollywood contam suas histórias a fotógrafo brasileiro imagem: Montagem/Emerson "Paco" Rodrigues

James Cimino

Do UOL, em São Paulo

Los Angeles, a capital do cinema americano, a cidade dos sonhos e dos anjos, é exímia na arte de criar ilusões. A principal delas é a de que todos que lá chegam em busca do sonho de se tornar artista serão bem sucedidos.

O fotógrafo brasileiro Emerson "Paco" Rodrigues, que chegou à cidade há seis meses trazido por um grande amor, preferiu, no entanto, apontar suas lentes para uma realidade menos cintilante e nada glamourosa da cidade: a dos artistas aposentados, dos moradores de rua, dos estrangeiros, dos fracassados, dos aspirantes ao estrelato. O resultado é uma série de fotos chamada "Real People of Hollywood" (Pessoas Reais de Hollywood). 

Durante suas andanças, "Paco" encontrou uma sobrevivente do Holocausto que vestia as estrelas nas décadas de 1940 e 1950; um ex-comediante, cuja foto está na parede da Comedy Store ao lado de Jim Carrey, mas que hoje conta piadas nos ônibus turísticos de Hollywood; um ex-ator que contracenou com Marlon Brando no filme "O Selvagem"; além de pessoas comuns, que já trabalharam como assistentes pessoais de estrelas ou que apenas abandonaram a carreira e cidade de origem para viver entre empregos normais e testes para filmes B e comerciais de TV.

Nada escapa ao olhar do fotógrafo, que gosta de registrar imagens de pessoas que aparentemente nada têm a ver com o mundo do entretenimento. "Teve esse russo que estava pintando uma parede na rua. Tentei entrevistá-lo, mas ele nem fala inglês. Quando desisti e estava indo embora, ele virou e disse em inglês: "Me deixaria feliz se você tirasse uma foto minha."

O trabalho faz parte do curso de fotografia que frequenta na UCLA (Universidade da Califórnia em Los Angeles). As fotos e as histórias chamaram a atenção de seu professor. "Ele pegou minhas fotos e disse para a classe que aquilo era um trabalho com alma", conta por e-mail o paulistano.

Agora já faz alguns meses que "Paco" passa os dias procurando e entrevistando pessoas que foram famosas e hoje perambulam pelas ruas relembrando os tempos de glória ou apenas pessoas pobres que se viram para sobreviver nas bordas da indústria do cinema.

O trabalho começou após um desafio semanal que seu professor propõe à turma para ser feito aos domingos, dia que tem muita gente na rua. O brasileiro decidiu ir para um dos cartões postais da cidade, a Hollywood Boulevard, onde estão o Teatro Chinês e a calçada da fama (além de hordas de turistas de todo lugar). Ali, sempre se encontra um cover do Prince, alguns super heróis que cobram para tirar fotos, ou apenas pedintes, inúmeros moradores de rua que fogem do frio dos outros Estados americanos e encontram na Califórnia uma temperatura que permita dormir ao relento.

"Assim que saí do carro, me deparei com um morador de rua pedindo esmola em um restaurante. Aquela imagem ficou na minha cabeça. Ele e tantas outras pessoas moram na cidade dos anjos, mas não são vistos. No outro dia voltei para a avenida e comecei a apenas fotografar, depois comecei a conversar com essas pessoas. Queria mostrar que aqui nem todo mundo é celebridade."

"Muitos pensam no glamour da calçada da fama, nas esquinas dos hotéis mais conhecidos, mas esquecem que aqui há pessoas que acordam cedo e vão trabalhar. As verdadeiras estrelas dessa cidade estão nas ruas, prontas pra serem ouvidas", completa o fotógrafo, que transformará o trabalho em exposição e livro.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 
Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Topo