Filmes e séries

Presidente da Sony joga culpa pela suspensão de "A Entrevista" nos cinemas

Do UOL, em São Paulo

19/12/2014 19h18

O presidente da Sony Pictures respondeu à afirmação do presidente Obama de que a empresa teria cometido um erro ao suspender a exibição do filme "A Entrevista", cedendo assim à chantagem dos hackers que atacaram a empresa nas últimas semanas, revelando dados sigilos, como e-mails corporativos e salários de artistas.

"Neste caso, o presidente, a imprensa e o público estão enganados sobre o que realmente aconteceu", disse o CEO Michael Lynton à CNN. "Nós não possuimos salas de cinema, não podemos determinar se um filme será ou não reproduzido nas salas de cinema."

Lynton explicou que a Sony estava mantendo a sua decisão de lançar o filme no Natal, mas, segundo ele, os distribuidores, que são donos dos cinemas, começaram a dizer ao estúdio que não iriam lançá-lo, deixando-os sem escolha.

"Nós não cedemos, temos perseverado e não recuado. Sempre tivemos todo o desejo de ter o público americano vendo este filme."

O que é o #SonyLeaks?

  • Imagem: Divulgação
    Divulgação
    Imagem: Divulgação

    Ataque hacker à Sony revela intrigas de Hollywood

    Vítima de um ataque digital sem precedentes na história de Hollywood, os estúdios Sony vêm passando por uma série de constrangimentos com a divulgação de informações confidenciais sobre atores, diretores e vários de seus funcionários. Saiba o que já saiu na imprensa.

Obama chama ação de erro

O presidente norte-americano Barack Obama disse durante um pronunciamento na Casa Branca, na tarde desta sexta-feira (19), que a Sony errou ao cancelar o lançamento do filme "A Entrevista", que retrata em tom de comédia o assassinato do ditador da Coreia do Norte, Kim Jong Um. A decisão do estúdio ocorreu após um ataque hacker a seus sistemas de dados, que revelou desde e-mails corporativos, a salários de executivos e atores da empresa.

"A Sony é uma corporação que sofreu significantes perdas, sou simpático a suas preocupações. Mas acho que eles cometeram um erro. Eu gostaria que eles tivessem falado comigo antes. Eu teria dito que eles não fossem por esse caminho e que não se intimidassem por esses ataques criminosos."

"Não podemos viver em uma sociedade em que um ditador de algum lugar imponha censura aos Estados Unidos. Se eles estão fazendo isso com um filme satírico, imagine o que eles não farão quando tiver um documentário ou um noticiário que eles não gostem?", disse Obama.

Sobre a resposta que os EUA estão preparando para a Coreia do Norte, Obama disse que o país irá responder à altura, mas que não informaria como se daria esse contra-ataque em uma entrevista coletiva.

O caso

O FBI, órgão federal de investigação dos Estados Unidos, anunciou nesta sexta-feira (19) que a Coreia do Norte foi responsável pelo ataque hacker à Sony Pictures.

"Como resultado da nossa investigação e em colaboração com outros departamentos e agências do governo, o FBI agora tem informações suficientes para concluir que o governo da Coreia do Norte é responsável por essas ações", disse a agência em comunicado. "Estes atos de intimidação são um comportamento inaceitável de um Estado", acrescentou o texto.

Segundo o FBI, a conclusão se baseia em análise técnica do malware usado no ataque, que tem ligação com o programa usado por agentes coreanos em outras ocasiões. Além disso, também foram identificadas coincidências entre a infraestrutura usada no ataque e outras ações cibernéticas maliciosas que o governo americano atribui diretamente à Coreia do Norte.

Com o anúncio do envolvimento da Coreia do Norte no ataque, fica claro que a principal motivação foi a comédia "A Entrevista", em que James Franco e Seth Rogen interpretam dois jornalistas recrutados pela CIA para exterminar o líder norte-coreano Kim Jong Un.

O filme gerou críticas do governo norte-coreano desde seu anúncio, e sua estreia foi cancelada na última quarta-feira, após ameaças de ataques terroristas aos cinemas que exibissem o longa. “A Sony Pictures não tem planos futuros de lançamento para o filme”, disse o porta-voz do estúdio.

Que decisão você teria tomado no caso das ameaças à Sony por conta de "A Entrevista"?

Resultado parcial

Total de votos
Total de votos

A estreia da comédia também está cancelada “até segunda ordem” no Brasil, de acordo com a assessoria de imprensa da Sony no país. O filme estava programado para estrear em circuito nacional no dia 29 de janeiro.

Anteriormente, a Sony estudava lançar “A Entrevista” online, sob demanda. No entanto, de acordo com a “Variety”, o filme não deve ser lançado nem em DVD, em uma decisão sem precedentes na história de Hollywood. Segundo o site especializado “The Wrap”, o prejuízo do estúdio pode chegar a US$ 90 milhões (cerca de R$ 230 milhões).

Desde o dia 24 de novembro, o Guardians of Peace vem divulgando centenas de dados sigilosos do estúdio, como documentos de folhas de pagamentos, endereços e e-mails constrangedores trocados entre executivos.

Nova ameaça

Nesta sexta, depois do anúncio do cancelamento da estreia, os hackers fizeram novas ameaças, exigindo que o filme jamais seja "lançado, distribuído ou vazado em qualquer formato como, por exemplo, DVD ou pirataria".

Por conta do caso, a Fox divulgou também que não irá lançar em março, como previsto, o longa "Pyongyang", do diretor Gore Verbinski, estrelado por Steve Carell. Baseado na graphic novel de Guy Delisle, o suspense retrata experiências de um ocidental que trabalha na Coreia do Norte por um ano.

"É muito sábio da parte de vocês que tenham tomado a decisão de cancelar o lançamento de 'A Entrevista'", disse a mensagem, segundo a CNN. "Nós garantimos a segurança dos seus dados, a menos que vocês criem problemas adicionais."

"E queremos que tudo relacionado ao filme, incluindo seus trailers, bem como a sua versão completa em qualquer site de hospedagem seja deletado imediatamente”.

Reprodução
Vaza cena de 'A Entrevista' em que ditador da Coreia do Norte morre Imagem: Reprodução
Em entrevista coletiva nesta quinta, o secretário de imprensa da presidência americana Josh Earnest disse que o ataque à Sony é considerado "uma séria questão de segurança nacional" e que o governo está considerando uma série de respostas possíveis para quando as investigações do FBI e do Departamento de Justiça forem concluídas. Earnest também teve o cuidado de não afirmar que a Casa Branca acredita no envolvimento da Coreia do Norte.

Críticas de Hollywood

O cancelamento sem precedentes fez com que chovesse reações negativas em Hollywood. O empresário Donald Trump, o ator Steve Carrell e até o roteirista e diretor de comédias Judd Apatow, amigo de Seth Rogen e James Franco, se posicionaram contra o cancelamento.

Um dos mais enfáticos a entrar na discussão foi o ator George Clooney, que deu declarações duras sobre o assunto. "A Sony não lançou o filme porque eles estavam com medo. Eles seguraram o lançamento porque todas as redes de cinema disseram que não vão exibi-lo. Elas falaram com seus advogados, que disseram que se alguém morresse, eles seriam os responsáveis", disse o ator em entrevista exclusiva ao site Deadline.

O ator ainda contou que nenhum executivo de Hollywood quis assinar a petição que ele e seu agente Bryan Lourd lançaram solicitando que a indústria "ficasse unida" para não ceder às ameaças dos hackers. "Eu não vou dar nomes aqui, mas ninguém quis assinar a carta".

Já o roteirista Aaron Sorkin, vencedor do Oscar por “A Rede Social”, disse que “os desejos dos terroristas foram cumpridos”, parte pela imprensa americana que escolheu publicar “fofocas movidas pela desgraça alheia”.

Até o escritor brasileiro Paulo Coelho se manifestou, oferecendo US$ 100 mil à Sony para distribuir o filme gratuitamente em seu blog.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
TV e Famosos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
Topo