Filmes e séries

X-Men, drama gay e Jogos Vorazes são os melhores filmes para público do UOL

Montagem/UOL/Divulgação
Internautas do UOL escolhem os melhores filmes de 2014 entre produções nacionais e internacionais Imagem: Montagem/UOL/Divulgação

Do UOL, em São Paulo

26/12/2014 13h10

Do drama gay "Hoje eu Quero Voltar Sozinho", primeiro longa do diretor brasileiro Daniel Ribeiro, a comédia besteirol "Debi e Lóide", continuação do filme de 1994 com Jim Carrey e Jeff Daniels, os internautas do UOL elegeram os melhores filmes de 2014 em seis categorias: terror e suspense, comédia, fantasia e ficção científica, ação e heróis, drama e romance, e documentário. As produções nacionais e internacionais, pré-selecionadas pela Redação, estiveram em votação do dia 9 a 26 de dezembro. Confira os vencedores segundo o público:

Os melhores filmes de 2014 segundo os internautas do UOL

  • Imagem: Reprodução
    Reprodução
    Imagem: Reprodução

    DRAMA E ROMANCE

    1° lugar: "Hoje Eu Quero Voltar Sozinho". O longa sobre a descoberta da sexualidade de um adolescente cego não conseguiu uma vaga no Oscar, mas conquistou a primeira posição com 23,5% (4372 votos) da preferência dos internautas. A disputa foi acirrada com "A Culpa é das Estrelas", com 22,3% dos votos. Maior vencedor do Oscar deste ano, "12 Anos de Escravidão" ficou em 3°, com 13,2% (2451 votos)

  • Imagem: Divulgação
    Divulgação
    Imagem: Divulgação

    FANTASIA E FICÇÃO CIENTÍFICA

    1° lugar: "Jogos Vorazes: A esperança - Parte 1". A sequência da saga que tomou mais da metade das salas do Brasil também teve a preferência da maioria, com 20,8% (4778 votos). A ficção "Interestelar", de Christopher Nolan, ficou em 2°, com 12% (2766 votos). A terceira e última parte da saga da terra-média "O Hobbit: A Batalha dos Cinco Exércitos" teve 10,% dos votos

  • Imagem: Reprodução
    Reprodução
    Imagem: Reprodução

    AÇÃO E HERÓIS

    1° lugar: "X-Men: Dias de um futuro esquecido". Um dos filmes mais celebrados da saga dos mutantes foi eleito o melhor filme de ação e heróis do ano, com 21% (3870 votos). O divertido "Guardiões da Galáxia" chegou em 2° lugar, com 20,5% (3772 votos). "Capitão América 2: O Soldado Invernal", apontado como uma sequência melhor do que o primeiro filme, ficou em 3° lugar, com 13,2% (2428 votos)

  • Imagem: Divulgação
    Divulgação
    Imagem: Divulgação

    TERROR E SUSPENSE

    1° lugar: "Annabelle". O terror derivado do filme "Invocação do Mal" não apenas ficou no topo da bilheteria por semanas como foi o longa que mais meteu medo em 25,2% do público do UOL, somando 4.189 votos dos internautas. O suspense "Garota Exemplar", adaptado do livro de Gillian Flynn, garantiu a preferência de 17,1% e "Sin City: A Dama Fatal" ficou em 3° lugar, com 11,4%

  • Imagem: Divulgação
    Divulgação
    Imagem: Divulgação

    DOCUMENTÁRIO

    1° lugar: "Ilegal". O drama de famílias que dependem da maconha medicinal para tratar seus filhos tocou o público e conquistou a preferência de 35,5% (10.052 votos). A estreia da cantora Mariana Aydar no filme "Dominguinhos" ficou em 2°, com 31,1%. O estudo sobre as injustiças do modelo prisional em "Sem Pena" fez com que o documentário conquistasse 2.198 votos (7,8%)

  • Imagem: Reprodução
    Reprodução
    Imagem: Reprodução

    COMÉDIA

    1° lugar: "Debi e Lóide 2". Vinte anos se passaram, mas Jim Carrey e Jeff Daniels ainda continuam sendo os idiotas mais queridos do público. A continuação foi eleita a comédia do ano com 17,4% (3039 votos). O nacional "O Candidato Honesto", com Leandro Hassum, ficou em 2°, com 16,2% (2836 votos). Em 3°, o cineasta Wes Anderson conquistou 9,7% dos internautas com "O Grande Hotel Budapeste"

  • Imagem: Divulgação
    Divulgação
    Imagem: Divulgação

    ANIMAÇÃO

    1° lugar: "Os Cavaleiros do Zodíaco - A lenda do Santuário". Os cavaleiros do Zodíaco provaram que não viraram objeto de brechó e ainda têm força para conquistar novos fãs. A animação teve 42,4% (18.635 votos), deixando para trás um campeão de bilheteria, "Frozen - Uma aventura congelante", com 39,8% (17472 votos), e a sequência "Como Treinar Seu Dragão 2", com 6,1% (2694 votos)




INJUSTIÇADOS
“Deus Não Está Morto”
Philomena
“Êxodus: Deuses e Reis”

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
AFP
do UOL
Reuters
AFP
do UOL
Reuters
do UOL
Reuters
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
UOL Entretenimento
Cinema
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
Topo