Filmes e séries

"Uma Noite no Museu 3" traz última atuação de Robin Williams

Nayara Reynaud

Do UOL, em São Paulo

01/01/2015 05h00

Na primeira vez, o público se encantou com o Museu de História Natural de Nova York ganhando vida; na sequência, o cenário foi o Smithsonian de Washington e, agora, o destaque – ainda que menos aproveitado do que os anteriores – vai para o Museu Britânico, no terceiro e último capítulo da franquia iniciada em 2006 e estrelada por Ben Stiller. 

Com Shawn Levy novamente na direção, “Uma Noite no Museu 3: O Segredo da Tumba” retrata a nova aventura do vigia noturno Larry Daley e seus amigos da instituição nova-iorquina em Londres. Tudo começa quando, na reabertura do planetário do complexo, todas as criaturas animadas do museu, que o público pensa serem somente holografias, dão pane e começam a atacar as pessoas.
 
O problema está na placa dourada de Ahkmenrah (Rami Malek), que dá vida a eles todas as noites. Para descobrir o que acontece com ela, Larry parte com os outros para a capital inglesa, onde Merenkahre (Ben Kingsley), o pai do faraó egípcio, está exposto. Outros problemas atormentam Larry, especialmente em relação a seu filho Nick (Skyler Gisondo, substituindo Jake Cherry). 
 
Além das figuras já conhecidas na série, o filme apresenta dois novos personagens: o cavaleiro da Távola Redonda, Lancelot (Dan Stevens), e a vigilante do Museu Britânico, Tilly (Rebel Wilson). Repetindo a mesma história dos outros dois longas, mas com um roteiro mais fraco ao solucionar o problema central, “Uma Noite no Museu 3” satisfaz-se em ser um programa-família.
 
Além da sequência da perseguição dentro da obra “Relatividade” de Escher e da ótima cena na montagem de “Camelot” em West End, com uma participação pra lá de especial, o filme tem como melhor momento o seu final, especialmente com a despedida de Teddy Roosevelt, que acaba sendo uma ótima homenagem ao seu intérprete Robin Williams, falecido no último mês de agosto. Também se lembra o veterano Mickey Rooney, que fazia um dos guardas e morreu também neste ano.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
UOL Cinema - Imagens
Cinema
do UOL
AFP
do UOL
Reuters
AFP
do UOL
Reuters
do UOL
Reuters
do UOL
BBC
do UOL
Chico Barney
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
UOL Entretenimento
Cinema
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Topo