Filmes e séries

Bilheterias crescem no Brasil, mas cinema nacional recua em 2014

Do UOL, em São Paulo

21/01/2015 11h40

A renda total dos filmes exibidos no Brasil e o número de ingressos vendidos cresceu em 2014, mas o cinema nacional não se beneficiou desse crescimento. É o que demonstra o relatório preliminar de acompanhamento do mercado divulgado pela Ancine (Agência Nacional do Cinema) nesta quarta-feira (21).

Segundo o documento, as salas de cinema do país receberam um total de 155,6 milhões de espectadores, 4,1% a mais do que em 2013. A renda teve um crescimento ainda maior: R$ 1,96 bilhão, número 11,6% maior do que no ano anterior. O parque exibidor também cresceu, com 205 novas salas de cinema, totalizando 2.830 salas no país todo.

Este crescimento foi puxado especialmente pelas produções estrangeiras, já que os filmes brasileiros atraíram 19 milhões de espectadores em 2014, número inferior
ao recorde de 27,8 milhões registrado em 2013. O número de lançamentos nacionais também caiu: de 129 em 2013 para 114 no ano passado. O cinema nacional representou 12,2% dos ingressos vendidos em 2014  ("market share"), fração também menor do que os 18,6% de 2013.

O desempenho do ano passado é um dos piores desde 2009: apenas em 2012 o market share dos filmes nacionais foi menor, 10,7%.

Entre os títulos brasileiros exibidos no ano, seis filmes ultrapassaram a marca de um milhão de espectadores ("Até que a Sorte nos Separe 2", "O Candidato Honesto", "Os Homens São de Marte... E É para Lá que Eu Vou", "S.O.S. Mulheres ao Mar", "Muita Calma nessa Hora 2", e "Vestido pra Casar") e 21 alcançaram mais de 100 mil ingressos. Em 2013, foram dez e 24 filmes, respectivamente.

O relatório da Ancine confirma levantamento feito pelo UOL no fim de 2014, que já previa este recuo do cinema nacional. Segundo especialistas consultados, a perda de espaço em 2014 se deve à falta de competitividade dos filmes brasileiros.

"Alguns defendem que se trata da safra, que teve menos filmes competitivos", comentou na ocasião o produtor André Carreira, que assina a produção de um dos campeões nacionais de bilheteria do ano ("O Candidato Honesto"). "Isso com certeza é um fator, mas acredito que ainda dependemos muito dos sucessos das nossas comédias e filmes biográficos. Conseguir competir em outros gêneros, como o suspense, o policial e o infanto-juvenil, pode ser a chave para uma maior participação. Mas é realmente um desafio, pois esses filmes normalmente possuem um valor mais alto de produção, demandam um volume maior de financiamento, sem a garantia de êxito", disse Carreira.

Distribuidoras

O fraco desempenho do cinema brasileiro afetou também as distribuidoras: enquanto a participação das internacionais na arrecadação cresceu 7,8%, chegando a R$ 1,43 bilhão (73,2% da renda total do ano com apenas 20,4% dos títulos lançados), a renda das nacionais caiu 12,7%, ficando em R$ 521,9 milhões ( 26,8% da renda do ano com 79,6% dos títulos lançados, contra 30,7% em 2013).

Quem saiu ganhando foi a Fox, que teve a maior participação do mercado em 2014, R$ 445,9 milhões ou 22,8%. Das dez maiores bilheterias do ano, incluindo o primeiro lugar para o fenômeno "A Culpa É das Estrelas".

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
TV e Famosos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
Cinema
Topo