Filmes e séries

Com cinema indie de confeitaria, Wes Anderson cai nas graças do Oscar

Tiago Dias

Do UOL, em São Paulo

26/01/2015 12h26

Com uma queda por personagens caricatos, grande apuro estético e a pecha de cineasta indie e esquisito, Wes Anderson caiu nas graças da Academia após mais de 20 anos de carreira. Seu último trabalho, “O Grande Hotel Budapeste”, conseguiu proezas inéditas para sua filmografia independente. Não é apenas seu trabalho de maior sucesso –com bilheteria de mais US$ 170 milhões no mundo, quatro vezes mais do que seus filmes costumam arrecadar, mas também lidera a corrida para o Oscar com nove indicações, empatado com o franco-favorito “Birdman ou (A Inesperada Virtude da Ignorância)” (Alejandro González Iñárritu).

Aos 45 anos, Anderson também viu seu último filme ser eleito o melhor do ano no Globo de Ouro, na categoria comédia ou musical, desbancando o próprio “Birdman”. Na premiação, ele subiu ao palco de gravata borboleta e agradeceu, irônico, aos jornalistas estrangeiros votantes, “como Dagmar, Jean-Paul, Helmut” e “muitos outros com nomes igualmente cativantes”.

Um jornal do Estado americano do Alabama resumiu bem: “Sabíamos que o diretor de ‘Três É Demais’ e ‘Os Excêntricos Tenenbaums’ tinha um futuro brilhante, mas o reconhecimento do 'mainstream' para uma lenda do cinema independente com um filme merecedor como ‘O Grande Hotel Budapeste’ é um sonho se tornando realidade para os fãs de longa data’”.

No time dos maiores diretores dos Estados Unidos, Anderson se destaca por não abrir mão de sua "mise-en-scène" teatral, as paletas de cores e o tom de fábula --o que muitas vezes lhe rendeu a acusação de ser um mero confeiteiro, sem se preocupar com a história. 


Nascido em Houston, no Texas, ele estudou filosofia e saiu do curso com um amigo, o ator Owen Wilson. Juntos, fizeram o curta “Bottle Rocket”, que mais tarde se tornaria o longa "Pura Adrenalina" (1996). O filme não só ajudou Wilson a se tornar um ator reconhecido, mas também fez com que virasse um constante parceiro do diretor.

Após seu segundo filme, “Três é Demais” (1998), Anderson juntou um elenco inacreditável para um novato no cinema. Com Gene Hackman, Anjelica Houston, Gwyneth Paltrow, Bill Murray, Danny Glover e Ben Stiller, além dos irmãos Luke e Owen Wilson, ele lançou “Os Excêntricos Tennenbaums”. A história sobre uma família desregulada e estereotipada causou burburinho, e ele e Owen Wilson foram indicados a melhor roteiro original no Oscar em 2003.

Owen, porém, que também é coautor dos roteiros de "Pura Adrenalina" e "Três É Demais", foi apenas um dos atores revelados em filmes de Anderson. Jason Schwartzman também debutou em “Três É Demais” e até o cantor brasileiro Seu Jorge tornou-se conhecido no exterior ao interpretar um marinheiro que faz versões acústicas de David Bowie em “A Vida Marinha com Steve Zissou” (2004). Desde então, além de trabalhar quase sempre com o mesmo elenco –Bill Murray participou de quase todos seus filmes--, Anderson desenvolveu sua assinatura: o movimento de câmera para a direta, a fotografia em estilo filtro do Instagram, uma direção de arte impecável, a obsessão pela simetria e pelo enquadramento perfeito. Vieram então a comédia dramática “Viagem a Darjeeling” (2007), a animação “O Fantástico Sr. Raposo” (2009) e a comédia juvenil “Moonrise Kingdom” (2012).



“Budapeste”, no entanto, foi acolhido como nunca pela crítica e pelo público, por trazer, embaixo de todo o confete, um drama cômico histórico, com a Segunda Guerra Mundial e a perseguição nazista como pano de fundo, sobre Gustave H., gerente de um hotel na ex-república ficcional de Zubrowka, na fronteira oriental da Europa.

Filmado em locação na Alemanha, especialmente na cidade de Görlitz e no Studio Babelsberg. Wes Anderson revelou que a história baseou-se em dois livros de escritor austríaco Stefan Zweig, que morreu no Rio de Janeiro: “Coração Impaciente” e “Êxtase da Transformação”. Os traços do próprio Zweig compõem o personagem de Gustave, interpretado por Ralph Fiennes.

“Wes Anderson está entrando no território de Woody Allen. Estabeleceu uma marca e pode chamar atores do primeiro time para papéis pequenos. O público vai ao cinema porque sabe que terá um refresco dos blockbusters de sempre”, opinou Phil Contrino, vice-presidente do site BoxOffice.com, que analisa as bilheterias americanas.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
TV e Famosos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
Cinema
Colunas - Flavio Ricco
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Topo