Filmes e séries

Julianne Moore, Eddie Redmayne e elenco de "Birdman" vencem o SAG

Eric Charbonneau/Invision for People/AP Images
25.jan.2015 - Eddie Redmayne e Julianne Moore exibem os troféus recebidos no SAG Awards 2015 Imagem: Eric Charbonneau/Invision for People/AP Images

Do UOL, em São Paulo

26/01/2015 08h13

O Sindicato de Atores dos Estados Unidos (Screen Actors Guild, em inglês) entregou no domingo (25) seus prêmios às melhores interpretações do cinema e da televisão. No cinema, o destaque ficou com Eddie Redmayne de "A Teoria de Tudo", Julianne Moore por "Para Sempre Alice" e o elenco de "Birdman".

Ao interpretar uma professora que descobre estar no estágio inicial do Alzheimer, Julianne Moore se fortalece para o Oscar com mais um prêmio de melhor atriz. Ele agradeceu a seus parceiros profissionais por terem “apoiado cada escolha estranha que eu já fiz", disse, no palco.

Já o prêmio de melhor ator para o britânico Eddie Redmayne surpreendeu. Com Michael Keaton, que protagoniza “Birdman”, na frente da bolsa de apostas, Redmayne conquistou os votantes pela transformação no físico Stephen Hawking.

Birdman cresce na disputa
Escrito e dirigido por Alejandro González Iñárritu, “Birdman” acabou vencendo na categoria melhor elenco.  A produção já tinha vencido o principal prêmio de produtores de Hollywood, o prêmio Producers Guild of America. Com os últimos troféus, o filme cresce na disputa pelo Oscar, com nove indicações, mesmo número da comédia de Wes Anderson, "O Grande Hotel Budapeste".

Os vencedores do Producers Guild têm seguido o caminho de vencer o prêmio de melhor prêmio da academia, maior honra da indústria cinematográfica, nos últimos sete anos.


Confira os destaques da premiação do SAG para TV.

Cinema

Melhor elenco:
"Birdman"

Melhor ator:
Eddie Redmayne, "A Teoria de Tudo"

Melhor atriz:
Julianne Moore, "Para sempre Alice"

Melhor ator coadjuvante:
J.K. Simmons, "Whiplash: em busca da perfeição"

Melhor atriz coadjuvante:
Patricia Arquette, "Boyhood: da infância à juventude"

Televisão


Melhor elenco dramático:
"Downton Abbey"

Melhor elenco em comédia:
"Orange is the New Black"

Melhor ator dramático:
Kevin Spacey, "House of Cards"

Melhor atriz dramática:
Viola Davis, "How to Get Away with Murder"

Melhor ator de comédia:
William H. Macy, "Shameless"

Melhor atriz de comédia:
Uzo Aduba, "Orange Is the New Black"

Melhor ator em minissérie ou filme para televisão:
Mark Ruffalo, "The Normal Heart"

Melhor atriz em minissérie ou filme para televisão:
Frances McDormand, "Olive Kitteridge".

 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
TV e Famosos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
Topo