Filmes e séries

Autora interferiu no final do filme "Cinquenta Tons de Cinza", diz revista

Do UOL, em São Paulo

05/02/2015 15h00

Não é apenas a história de "Cinquenta Tons de Cinza" que é quente, mas, segundo relatos internos, as coisas esquentaram também no set, entre a autora E.L. James e a diretora Sam Taylor-Johnson --mas no mau sentido.

De acordo com o site da revista "The Hollywood Reporter", James vetou o final escolhido pela cineasta para o que deve ser o primeiro filme de uma trilogia.

Segundo fontes da revista, a cena final que Taylor-Johnson preferia, baseada em uma nova versão do roteiro escrita por Patrick Marber ("Closer"), não era muito diferente da original, de autoria de James e Kelly Marcel ("Walt nos Bastidores de Mary Poppins"), mas a escritora não permitiu as mudanças mesmo assim.

É sabido que James recebeu da Universal, que produz o filme, carta-branca para interferir o quanto quisesse, e usou esta prerrogativa para impor sua visão em diversas ocasiões, o que gerou conflitos com a diretora.

Taylor-Johnson chegou a admitir em entrevista à revista "Porter" que as duas tiveram "brigas criativas" no set: "Foi difícil, não vou mentir. Nós definitivamente brigamos, mas foram brigas criativas. Tínhamos verdadeiros 'quebra-paus' no set, e eu não sou confrontadora, mas era uma questão de acharmos um meio-termo, satisfazendo a visão dela e o que ela havia escrito e também a minha necessidade de visualizar aquele personagem na tela. Mas chegamos lá".

Segundo fontes da produção do filme, o final de Taylor-Johnson era mais "inteligente e bacana".

ATENÇÃO: ESTE TEXTO CONTÉM SPOILERS. SE VOCÊ NÃO QUER SABER DETALHES DA TRAMA, NÃO CONTINUE A LEITURA

Para quem leu o livro, o primeiro volume termina depois que Anastasia Steele (Dakota Johnson) pede a Christian Grey (Jamie Dorman), o milionário sadomasoquista que se encanta por ela, para submetê-la a uma sessão de dominação. Mas a experiência a traumatiza e ela termina o relacionamento com ele.

No final escolhido por James, a cena termina com Anastasia dizendo "pare", enquanto no preferido pela diretora, a fala final seria "vermelho", a palavra de segurança que Anastasia deveria dizer quando quisesse que Christian parasse. Quanta diferença isso faria para o filme, talvez só saibamos se resolverem incluir o final alternativo nos extras do DVD.

"Cinquenta Tons de Cinza" tem pré-estreia internacional no Festival de Berlim, no dia 11, e estreia no Brasil na próxima quinta (12).

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Estadão Conteúdo
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
UOL Cinema - Imagens
redetv
redetv
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
Reuters
Reuters
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
redetv
do UOL
EFE
do UOL
do UOL
do UOL
Cinebiografia a caminho
Reuters
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
do UOL
Chico Barney
Roberto Sadovski
redetv
redetv
do UOL
EFE
EFE
do UOL
do UOL
Cinema
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
EFE
EFE
Colunas - Flavio Ricco
Topo