Filmes e séries

Cinquenta Tons... de Confusão, já que o filme-fenômeno não diz a que veio

Roberto Sadovski

Do UOL, em São Paulo

11/02/2015 07h00

Quando “Cinquenta Tons de Cinza”, que estreia nesta quinta (12), chega ao fim de forma abrupta, inesperada e totalmente sem sentido, nem dá para assustar. Afinal, foram quase duas horas com a mente repetindo a mesma pergunta: por quê?

Por que o trilhardário Christian Grey (Jamie Dornan) se interessou pela sem graça Anastasia Steele (Dakota Johnson)? Por que em nenhum momento o casal sugere alguma química? Por que tanto alarde quanto às preferências de Grey na alcova se, na hora da verdade, a coisa não inspira meio suspiro? Por que, em pleno século 21, o romance de preferência da dona de casa moderna (e, pode apostar, o filme vai faturar uns quatrilhões de dólares) ainda parece livreco barato comprado com o jornaleiro da esquina? Por quê???

Primeiro vamos tirar o plot da frente. Christian Grey, cheio da grana, solteiro e desejado pelo mulherio, se interessa por Anastasia Steele, formanda em Literatura, tímida e virgem. Os dois começam um relacionamento, ele revela que é dominador e procura uma submissa (isso é sexo, rapazes e moças!). Ela topa, meio que sim, meio que não. Existe um contrato como McGuffin no meio de tudo. Ela leva uns tapinhas, que primeiro não doem, depois sim. E é isso.

Entre começo e fim, uma lista de perguntas sem respostas. Por exemplo, o que impulsiona o desejo de Christian, ou a abertura dada por Ana, ou por que ele é cheio de manias (só dorme sozinho, nunca sorri) e ela, cheia de neuras (mantém a família distante e os pretensos relacionamentos mais ainda). A família de ambos, por sinal, é apenas apêndice, desculpa para Marcia Gay Harden e companhia embolsarem um cheque.

E “Cinquenta Tons de Cinza” caminha assim, aos trancos, pontuando uma e outra DR com sexo. Sexo muito comportado, por sinal. Claro, para um filme mainstream-made-in-USA, a coisa é até ousada. Mas aqui podia passar fácil na “Sessão da Tarde”. E é aí que a coisa pega de verdade: embora seja inteiro construído na premissa de paixões incendiárias e sexo selvagem, o que pinta em cena é uma versão melhor produzida dos “Red Shoe Diaries”, a série softcore que o rei do gênero, Zalman King, tirou da cartola na TV dos anos 1990.

Grey, pelo plot sugerido no livro e seguido no filme, não teria o menor motivo para olhar duas vezes para Ana – a não ser pelo desejo de “corromper a pureza”. Mas não é essa sua pegada, e sim as atividades envolvendo chicotes, algemas, cordas e muito couro vermelho em seu “quarto de jogos”. É involuntariamente engraçado o sparring dos protagonistas e o desfile de clichês sexuais (gelo na boca, lábios mordidos, venda etc). O “ato final”, que revelaria o limite desse relacionamento, é praticamente um coito interrompido.

O que, então, salva os caraminguás que o senhor e a senhora pagaram para desfrutar “Cinquenta Tons de Cinza” no cinema?

Vamos lá. A diretora Sam Taylor-Johnson é elegante e nunca apela para a vulgaridade (ao contrário da autora dos livros, E.L. James, que não foge da sacanagem barata). O filme é bonito, produção esmerada, e dá vontade de viver no mundo de Christian Grey.

Ah, os atores. Jamie Dornan tem um papel ingrato, já que foi substituto de última hora e, honestamente, faz o que pode com um personagem unidimensional – em suas palavras, ele “é assim porque é assim”. Pior sorte teve Dakota Johnson. Ela tinha de agarrar Anastasia Steele e fazer dela memorável, como fez Rosamund Pike e sua Amazing Amy de “Garota Exemplar”, para ficar num exemplo recente. Mas não passou de mordidas no lábio e sorrisos marotos. Uma pena.

No fim, o livro atrapalhou o que poderia ser um filme sexy, mas adaptar literatura de quinta com tamanha fidelidade dá nisso. Poderia ser pior? Claro. Mas ainda teremos mais dois filmes para superar o primeiro. E para, talvez, responder a todos os por quês...

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
Cinema
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
AFP
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
do UOL
ANSA
do UOL
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
AFP
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Topo