Filmes e séries

Morre Albert Maysles, influente documentarista - e "vovô do BBB"

Victoria Will/Invision/AP
21.jan.2013 - Albert Maysles posa para foto durante o festival de cinema de Sundance, nos EUA Imagem: Victoria Will/Invision/AP

Do UOL, em São Paulo

06/03/2015 15h22

Morreu nesta quinta-feira (5) o cineasta Albert Maysles, representante do chamado "cinema direto" - ou "cinema verdade" - e um dos mais influentes documentaristas do mundo. Maysles estava com 88 anos e sua morte foi provocada por causas naturais, segundo o site da revista "Variety".

Entre os trabalhos mais conhecidos de Albert Maysles estão o documentário "Gimme Shelter", que dirigiu com seu irmão e colaborador frequente David Maysles, morto em 1987, e que retrata em flagrante um assassinato no meio de um show dos Rolling Stones em Altamont, na Califórnia, em 1969.

Maysles também dirigiu "The Beatles: The First US visit", sobre a estreia do quarteto de Liverpool nos EUA, em 1964, e "Grey Gardens", história de uma tia e uma prima da ex-primeira dama Jacqueline Kennedy Onassis que viviam em uma casa literalmente caindo aos pedaços em 1973. A vida delas foi recontada no cinema em 2009 em um filme estrelado por Jessica Lange e Drew Barrymore.

Atualmente, Maysles trabalhava em um documentário sobre o artista plástico Keith Haring.

Inspirado por um movimento francês chamado "cinema verdade", o "cinema direto" do qual Maysles foi um dos principais difusores nos Estados Unidos consiste, entre outros aspectos, em uma maneira de documentar assuntos e personagens com a mínima interferência possível do cineasta. Em vez de conduzir a história com perguntas, narração em off ou um roteiro pré-definido, os adeptos do cinema direto acreditam em deixar que os fatos e pessoas se descortinem diante de suas lentes.

De certa maneira, Maysles pode ser considerado o avô de programas de reality show como o "Big Brother". Questionado, em 2002, em uma entrevista à "Folha de S. Paulo", sobre o que achava de atrações desse tipo, Maysles foi direto: "Não gosto disso. Essas pessoas só estão pensando em uma forma de entretenimento barato."

Divulgação
Foto dos bastidores do documentário "Gimme Shelter", de Albert e David Maysles Imagem: Divulgação

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
Cinema
do UOL
AFP
do UOL
Reuters
AFP
do UOL
Reuters
do UOL
Reuters
do UOL
BBC
do UOL
Chico Barney
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
UOL Entretenimento
Cinema
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Topo