Filmes e séries

Foi um desafio improvisar em inglês, diz Santoro sobre atuar com Will Smith

Giselle de Almeida

Do UOL, no Rio

11/03/2015 06h05

Profissional com mais de 20 anos de carreira, Rodrigo Santoro chegava ao set de "Golpe Duplo" com o texto devidamente decorado para descobrir que contracenar com Will Smith exige mais jogo de cintura do que se pensa. Estrelismo por parte do astro? Nada disso. Comediante nato, o ator americano gosta mesmo é de improvisar. E aí, a cena se transforma na hora, garante o brasileiro, sobre o filme que estreia no Brasil nesta quinta (12).

"Foi um desafio improvisar em inglês. Os diretores incentivavam também, sabiam o que queriam da cena, e estavam abertos à colaboração. Tinha uma sequência que terminaria na fala tal, mas ele continuava, e comecei a me engraçar também. Não sei exatamente o que ficou no filme, mas foi um exercício bom, prazeroso. Eu ia feliz pro trabalho", conta Santoro, durante rápida visita ao Brasil meio a seus trabalhos internacionais.

Na pele de Garriga, dono de uma equipe de automobilismo, o ator repete a parceria com os cineastas Glenn Ficarra e John Requa, com quem trabalhou em "O Golpista do Ano". Na trama, seu personagem contrata Nicky (Will Smith), um golpista notável, para driblar os rivais e se tornar invencível nas pistas. No entanto, a relação entre os dois se complica graças à presença da bela Jess (Margot Robbie) entre eles.

Se na tela a relação é de rivalidade, a parceria no set foi fundamental, conta o brasileiro. "Mesmo nas tomadas em que Will não aparecia, ele estava o tempo todo comigo, presente, me provocando no bom sentido, tentando me ajudar. Foi inspirador. Ele é contagiante, meio onipresente, fala com todo mundo. Ele gosta muito do que faz, isso fica muito claro", completa ele, que rodou suas cenas em Buenos Aires.

Versatilidade no currículo 

Embora o romance tenha bastante espaço em "Golpe Duplo", o filme aposta nas muitas reviravoltas do roteiro para se firmar num gênero bem específico, chamado em inglês de "heist movie" --em que o planejamento de um crime, geralmente um roubo, é o grande foco da história. Mas o papel do empresário desonesto não poderia ser mais diferente do mais recente trabalho de Santoro: atualmente o ator está na Itália para rodar sua participação num épico, o remake de "Ben-Hur", dirigido pelo russo Timur Bekmambetov. Na nova versão, o ator vive ninguém menos que Jesus Cristo, que aparece em visões para o protagonista, traído e tornado escravo.

"A história não é sobre Jesus Cristo, quem viu o clássico sabe que ele pontua a trama. Mas é um personagem tão forte que, se eu tiver a oportunidade de vivenciar um pouquinho da trajetória dele, de experimentar um pouco isso, acho que vou aprender muito. Vai ser um ganho pessoal muito grande. E isso já me atrai", afirmou o ator ao UOL, ainda durante a fase de negociação para assumir o papel.

Em um ano em que o brasileiro lança ainda o faroeste "Jane Got a Gun", chama a atenção a versatilidade do ator, que mergulha de cabeça em projetos totalmente distintos. No western, com Natalie Portman e Ewan McGregor no elenco, ele dá vida ao vilão Fitchum.

Mas esse é um caminho que Santoro percorre, com tranquilidade, desde o início da carreira. Alçado ao posto de galã ainda em suas primeiras novelas da Globo, o ator logo passou a aceitar propostas diferentes no cinema, como o Wilson de "Bicho de Sete Cabeças" e a Lady Di de "Carandiru".

Se na produção nacional sua filmografia pende mais para o drama, no exterior, ele joga nas onze. Quem não se lembra de sua estreia numa produção internacional, na famigerada ponta sem fala no pop "As Panteras: Detonando" (2003)? Ou do grande blockbuster de sua carreira lá fora, "300", inspirado na graphic novel homônima, em que aparecia irreconhecível como o deus-rei Xerxes?

Dentro desse mar de possibilidades, ainda cabem filmes tão díspares como as comédias românticas "Simplesmente Amor" e "O que Esperar quando Você Está Esperando", em que fez par com Jennifer Lopez,  e o filme de ação "O Último Desafio", em que atuou com o exterminador Arnold Schwarzenegger.

O brasileiro jura que tamanha diversidade não é algo planejado. Tem a ver, claro, com as oportunidades que acabam chegando, ele admite, mas também com uma certa intuição antes de dizer sim a determinado projeto. "Às vezes leio uma coisa que não bate, e não me sinto estimulado. Mas não tem uma fórmula", garante ele, acrescentando que percorrer caminhos tão diferentes ajuda a torná-lo um intérprete melhor.

"Vou me alimentando daquilo e quebrando preconceitos. Quando chego e me aproximo pra pesquisar um personagem, não posso julgá-lo. Assim que é enriquecedor", afirma ele, que este ano se dedica ainda à TV, com a série "Westworld", ao lado de astros como Anthony Hopkins e Ed Harris.

Trailer legendado do filme "Golpe Duplo"

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
AFP
do UOL
Reuters
AFP
do UOL
Reuters
do UOL
Reuters
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
UOL Entretenimento
Cinema
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
Topo