Cinema

Série de TV "Dr Who" pode virar filme em 8 anos, revelam vazamentos da Sony

Reprodução
Peter Capaldi é o mais novo Doctor Who. Ele é fã da série desde a infância imagem: Reprodução

Do UOL, em São Paulo

A famosa série de televisão “Doctor Who” deve ir para o cinema em oito anos. A revelação foi feita após o vazamento de mais de 30 mil documentos da Sony Pictures pelo WikiLeaks de Julian Assange, nesta quinta-feira (16).

Segundo o diretor de televisão da BBC, Danny Cohen, há um “tremendo interesse” em fazer um filme de "Dr Who", de acordo com os e-mails de executivos que vazaram.

Em novembro passado, a Sony Pictures, filial do grupo japonês Sony, foi vítima de um ciberataque que roubou dados pessoais de 47 mil pessoas, incluindo funcionários, executivos e artistas ligados à companhia, além de documentos financeiros e até roteiros.

Os produtores de uma das mais famosas séries de ficção científica britânica estão muito interessados em rodar o filme mas se sentem pressionados a fazê-lo em breve.

Os e-mails vazados ainda revelaram uma “pressão” por parte da BBC Worldwide, o braço comercial da corporação, para filmar.

Um outro email enviado ao diretor executivo Michael Lynton da Sony Pictures Entertainment e à presidente de produção internacional Andrea Wong dizia: “Acabo de falar com Danny Cohen sobre Dr Who”.

Enquanto havia grande interesse e pressão por parte da BBC Worldwide, os produtores do show informaram que ainda não pretendem fazer neste momento.
A equipe da série está com uma perspectiva de oito anos e que um filme faz parte dessa projeção, revelam os e-mails vazados, informaram jornais britânicos como "The Indepent", "The Telegraph" e "Mirror".

Andrea Wong admitiu que, nos próximos 18 meses, não havia planos de levar a série para o cinema. “Falei com o Danny (Cohen) e ele não acha que faria sentido agora um filme”, comentou.

Mais de 30 mil documentos

No total, o site de Julian Assange colocou à disposição do público 30.287 documentos da Sony Pictures Entertainment, 173.132 e-mails e mais de 2.200 endereços eletrônicos do grupo.

“Estes arquivos revelam as engrenagens de uma influente multinacional. São dignos de interesse. Isto pertence ao público e o WikiLeaks vai garantir que seja assim", assinalou Assange, que vive na embaixada do Equador em Londres para evitar uma deportação à Suécia, onde é acusado de estupro.

Em novembro passado, a Sony Pictures, filial do grupo japonês Sony, foi vítima de um ciberataque que roubou dados pessoais de 47 mil pessoas, incluindo funcionários, executivos e artistas ligados à companhia, além de documentos financeiros e até roteiros.

Os hackers teriam exigido da Sony Pictures que renunciasse à exibição da comédia "A Entrevista", uma sátira sobre o líder norte-coreano, Kim Jong-Un, e Washington acusou a Coreia do Norte de estar por trás do ataque.

O filme foi depois lançado em um circuito limitado.

Os documentos revelados pelo Wikileaks contêm detalhes da estratégia de pressão pública da Sony, suas relações com políticos e estratégias de negócio.
 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 
Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Topo