Cinema

Matthew McConaughey diz que faz estrogonofe e feijão para os filhos

Thiago Stivaletti

Do UOL, em Cannes (França)

Em entrevista exclusiva ao UOL, o ator Matthew McConaughey, vencedor do Oscar por "Clube de Compras Dallas", falou sobre o novo filme que acabou de estrear no Festival de Cannes 2015, "The Sea of Trees", e as coisas de que mais gosta no Brasil --país de origem de sua mulher, a modelo brasileira Camila Alves.

"Vocês no Brasil têm ritmo. Pode ser o milionário ou o varredor de rua. Você pode ir ao melhor restaurante cinco estrelas, o maître vai servir uma garrafa de vinho com muito estilo. Você vai comer camarão numa barraquinha na praia, o cara que está lá é ao mesmo tempo o proprietário, o garçom e o cozinheiro. Ele vai te servir o único vinho que ele tem com o mesmo estilo do maître, com o mesmo ritmo e orgulho do outro cara". Ele conta que, em sua casa, nunca falta estrogonofe, camarão e feijão.

Em "The Sea of Trees", McConaughey vive Arthur Brennan, um homem desesperado pela morte da mulher (Naomi Watts) depois de anos de casamento em crise. Na sua vida pessoal, McConaughey nunca viveu perda parecida.

"A única perda importante que tive até hoje foi a morte do meu pai em 1992. Tenho uma relação com ele ainda, embora ele não esteja aqui fisicamente". Para viver o papel, o ator falou com conselheiros de casais em crise. "Aprendi muito sobre como, num casal, há sempre um de comportamento passivo-agressivo e outro viciado no comportamento do outro. E como eles alimentam um ou outro para se afundar cada vez mais", contou. "Uma das lições do filme é: siga em frente e perdoe, antes que seja tarde demais".

Segundo ele, o Oscar por "Clube de Compras Dallas" não mudou sua carreira. "Claro que é uma grande honra, mas nada mudou. Continuo no mesmo processo de ir atrás do que me empolga, fazer filmes que eu gostaria de ver."

McConaughey chegou a Cannes com uma grande barba desgrenhada --que não é apenas pela moda, mas para o personagem de seu próximo filme, "The Free State of Jones", que só estreia em 2016. Ele vive um fazendeiro do Mississippi que lidera um grupo de rebeldes contra o Exército Confederado durante a Guerra de Secessão americana, em 1860.

Topo