Filmes e séries

Presença em eventos menores diminui peso do "selo Cannes" para o Brasil

Thiago Stivaletti

Do UOL, em Cannes (França)

25/05/2015 14h00

O Brasil está em baixa em Cannes. Nas últimas cinco edições, apenas um longa-metragem inteiramente nacional foi selecionada para as mostras oficiais --"Trabalhar Cansa", de Marco Dutra e Juliana Rojas, na Um Certo Olhar em 2011. Além disso, outras duas co-produções internacionais com participação de brasileiros tiveram espaço no evento francês: "O Sal da Terra" (Um Certo Olhar, 2014) e "On the Road" (Competição, 2012).

Diante da dificuldade em emplacar nossos filmes na seleção, qual a importância que os produtores brasileiros dão hoje ao "selo Cannes"? Ainda faz diferença ter um filme no maior festival do mundo e poder estampar o símbolo do evento nos cartazes promocionais?

A resposta é sim e não --porque Cannes também está em baixa no Brasil, substituído por festivais menores, com seleção mais variada.

"Cannes é um festival de muita visibilidade e poderia ser importante para os filmes brasileiros. Não dá para dizer que ainda seja, porque há anos nenhum filme de longa-metragem do país é selecionado", diz André Sturm, presidente do Cinema do Brasil, programa governamental que ajuda a difundir o cinema nacional no exterior.

Para ele, o Festival de Berlim, que acontece em fevereiro, é hoje a principal janela para o cinema brasileiro. "Nos dois últimos anos, tivemos sempre um filme entre os selecionados lá que vendeu muito bem. 'Hoje eu quero voltar sozinho' vendeu para mais de 20 países, e 'Que horas ela volta?', para mais de 25".

Divulgação
Cena do documentário "O Sal da Terra", co-produção entre Brasil, França e Itália, que ganhou o Prêmio Especial do Júri da mostra Um Certo Olhar em 2014 Imagem: Divulgação

Se há dez anos Cannes era a única meta dos produtores, agora festivais menos conhecidos do grande público como Toronto, Locarno e San Sebastián assumiram o papel de grandes vitrines do cinema brasileiro e latino. No ano passado, Locarno escolheu o Brasil como homenageado do ano, exibindo longas nacionais e dando um prêmio para a finalização de longas do país.

"Ter um filme em Cannes pode ter um lado bom e outro ruim. Se o filme é bom e estourar aqui, vai fazer a melhor carreira possível. Mas se não tiver uma grande repercussão, ou receber muitas críticas negativas, é o pior lugar para estar", diz o diretor Kléber Mendonca Filho, cujo "O Som ao Redor", indicado pelo Brasil ao Oscar em 2013, foi lançado em um festival dito de segunda linha --o de Roterdã, na Holanda. "Se meu próximo longa ['Aquarius'] ficar pronto a tempo, claro que vou enviar a Cannes no ano que vem. O que não dá é esperar seis meses para tentar uma vaga aqui."

Distribuição mundial

Duas das maiores produtoras do Brasil, Sara Silveira ("Cinema, Aspirinas e Urubus") e Vania Catani ("O Palhaço") dizem que o selo Cannes ainda é importante e não pode ser descartado. "Cannes ainda faz a diferença. Aqui, você consegue uma world sales [agente internacional de vendas de filmes] e convites para todos os festivais do mundo, inclusive do Brasil", diz Vania, que vem a Cannes há 12 anos e teve "A Festa da Menina Morta" selecionado em 2008.

"Estamos cientes de que é muito difícil colocar filme aqui. Os latinos selecionados têm sempre um diálogo com favela, miséria, prostituição. Não é o que eu faço". Um dos novos filmes produzidos por ela, "Mate-me por Favor", da carioca Anita Rocha da Silveira, foi um dos que quase conseguiu a sonhada vaga em Cannes --recebeu fortes elogios dos selecionadores do festival, mas ficou de fora da lista final.

Sara, que frequenta o festival há 15 anos, teve dois filmes selecionados em Cannes: "Cinema, Aspirinas e Urubus", em 2005, para o qual o selo Cannes só fez bem --o filme foi vendido para 15 países-- e "Trabalhar Cansa" em 2011, que segundo ela "teve uma repercussão bem menor do que o esperado" e foi vendido para apenas sete países.

"Mas Cannes ainda é a meca. Um filme latino selecionado aqui aproveita muito mais a projeção do festival do que filmes europeus e americanos de diretores consagrados." Para ela, outros países americanos estão com espaço bem mais cativo em Cannes do que o Brasil. "A Argentina e a Colômbia estão encontrando o seu espaço aqui. E o Chile vem aí. A gente ainda está aprendendo a desenvolver nossos roteiros. Vamos chegar lá, mas é um avanço gradual".

Sandro Fiorin, diretor da Figa Films, agência internacional de vendas que tem no catálogo filmes independentes de pequeno orçamento como o dominicano "Dólares de Areia" e os brasileiros "Castanha" e "Ventos de Agosto", discorda. Segundo ele, Berlim, no início do ano, e Toronto em setembro, são plataformas melhores de venda para seus filmes.

"Em Cannes, os filmes pequenos são abafados pelos grandes nomes da competição". Para ele, o cinema latino vem conseguindo crescer no festival francês, mas sem o mesmo espaço que teve em 2008, quando Walter Salles, Pablo Trapero e Lucrecia Martel disputaram a Palma. "Os selecionadores não prestam atenção em como o Brasil já se desligou do filme de favela, de pobreza, de exploração. O que ha de novo no país eles não estão interessados. Isso é o que mais me magoa. A gente continua lutando por uma vaga aqui, eles dizem que gostam, ficam até a hora final mandando e-mail, dando esperança, e na hora H nunca entra", critica.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
AFP
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
do UOL
ANSA
do UOL
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
AFP
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
do UOL
UOL Cinema - Imagens
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Topo