Filmes e séries

Às vésperas de filme, Azul lança avião com adesivos de "Minions"

Divulgação
Aeronave Embraer 195, matrícula PR-AYJ, recebeu adesivo da animação "Minions" Imagem: Divulgação

Do UOL, em São Paulo

03/06/2015 14h07

Às vésperas da estreia da animação “Minions”, que chega ao Brasil no dia 25 de junho, a Azul Linhas Aéreas Brasileiras adesivou um de seus aviões com desenhos dos escravinhos amarelos do anti-herói Gru, de “Meu Malvado Favorito” 1 e 2.

Reprodução/Facebook
Minions foram ao Aeroporto de Viracopos, em Campinas (SP), para chegada de avião Imagem: Reprodução/Facebook
A aeronave é um modelo Embraer 195, matrícula PR-AYJ. Para a apresentação do resultado, nesta quarta-feira (3), alguns minions invadiram o Aeroporto Internacional de Viracopos, em Campinas (SP), como mostrou a Universal Pictures em foto divulgada em sua página no Facebook.

Segundo a companhia aérea, os personagens interagiram com passageiros até o embarque no avião e, nos próximos dias, a Azul e a Universal devem anunciar uma surpresa para os clientes.

O filme solo dos ajudantes de Gru, dirigido pelos franceses Pierre Coffin e Kyle Balda, apresenta a turminha bem antes de encontrar seu mestre – antes mesmo de a humanidade habitar a Terra.

O grupo de fala incompreensível (é possível distinguir poucas palavras do idioma deles, como banana e papaia) passa por vários países, em diferentes eras, e acumula uma série de patrões malvados, como um Tiranossauro Rex, um faraó do Egito, o líder mongol Genghis Khan, o imperador francês Napoleão Bonaparte e o Conde Drácula – mas todos são mortos pelos próprios minions, sem querer querendo.

Divulgação
Personagens de "Minions" estiveram nesta quarta (3) em Viracopos para lançamento Imagem: Divulgação
Após perder todos os seus mentores, a vida de Dave, Stuart, Kevin, Tim, Norbert, Carl, Bob e companhia fica, então, sem motivo e ameaçada. Até que, em 2010, eles finalmente encontram seu malvado favorito e as três filhas adotivas dele, Agnes, Margo e Edith.

Mas é nesse intervalo, entre a "depressão" dos servos amarelos e o encontro com Gru, que a animação se concentra. Três voluntários (Kevin, Stuart e Bob) vão até Nova York, em 1968, para participar de uma convenção de vilões e lá se encantam com a ambiciosa vilã Scarlet Overkill, que pretende se tornar a primeira mulher a dominar o mundo.

Na dublagem em inglês, quem faz a voz de Scarlet Overkill é a atriz Sandra Bullock, enquanto na versão brasileira é Adriana Esteves. Em português, “Minions” tem ainda dublagem de Leandro Hassum, como Gru, Renato Aragão, como Napoleão, e Paulo Silvino, como Herb Overkill, marido de Scarlet.

Veja abaixo o trailer dublado de "Minions":

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
Chico Barney
do UOL
UOL Cinema - Imagens
UOL Entretenimento
Cinema
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Topo